‘Era cheio de vida’, diz filha de barbeiro que morreu vítima de Covid-19 em Rio Branco

A família do barbeiro Francisco Nogueira da Cruz, de 82 anos, que morreu de Covid-19, em Rio Branco, na última quinta-feira (25), ainda procura uma direção para seguir em frente. Os familiares buscam na união a força para superar o momento de dor. Na lembrança, ficam as imagens de um homem alegre que foi mais uma vítima da doença no Acre.

“Ele sempre via o lado positivo, ficava sempre feliz e não gostava de choro. Agora está difícil até na hora do choro, porque a gente lembra que ele não gostava. Sempre dava força, era brincalhão, sempre tinha uma história engraçada para contar”, lembra uma das filhas dele, Cliva Cruz.

Conhecido na cidade, o barbeiro fez muitos amigos durante os anos de trabalho na barbearia que tinha no Centro da capital acreana. Pelo trabalho que fazia era conhecido como Chico Barbeiro. Ele também era aposentado da Polícia Federal.

O barbeiro tinha uma cardiopatia e fazia acompanhamento médico, segundo informou a família. Ele começou a sentir os sintomas da doença no dia 6 de junho. Um semana depois, foi internado e ficou 24 horas na Unimed, dia 14 foi levado ao Hospital Santa Juliana e 11 dias e morreu por complicações da doença.

“No dia 17 de junho ele foi para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e a gente tinha a esperança de que ele não fosse entubado, mas ele foi no mesmo dia e a gente tinha a consciência que paciente entubado é bem mais difícil a recuperação”, contou a outra filha Filomena Cruz.

A família informou que o idoso estava se recuperando bem da doença e que a morte foi devido a complicações da doença que deixou o pulmão debilitado. Mas, no atestado de óbito, eles informaram que a causa da doença foi Covid-19 e a Secretaria de Saúde (Sesacre) afirmou que o óbito deve ser divulgado no boletim deste sábado (27).