Pastor critica líderes religiosos que descumprem decreto: “Se um bar está aberto…e daí?”

O pastor Marcelo Torres, da Igreja Lagoinha em Rio Branco, publicou uma dura crítica aos líderes religiosos que acusam o governo de perseguição Às instituições religiosas em tempos de pandemia da Covid-19. Por decreto, as igrejas estão suspensas para cultos, e só podem atender para aconselhamento pessoal.

O pastor acreano questionou o fato de líderes compararem o fechamento das igrejas ao fechamento de bares, o que, no entendimento dele, é desproporcional. “Não se pode comparar a postura de uma igreja com um bar. Da igreja se exige um padrão moral muito mais elevado”, escreveu o pastor.

Segundo Torres, a igreja “deve ser ética, guardiã dos bons atos, defensora da vida e deve agir dentro da lei. Se um bar está aberto… e daí? A igreja vai usar isso pra justificar sua desobediência? O bar virou parâmetro pra igreja?”, questionou Marcelo ao dizer que líderes devem, sim, obedecer às leis terrenas.

“Lideres pregam a obediência mas não obedecem? Se estão abrindo estão na prática de desobediência. Se forem penalizados não é perseguição…é justiça”, pontuou o pastor. Quis deixar claro que os líderes religiosos precisam obedecer às regras de suspensão das atividades não essências em todo o estado.

Não vejo perseguição nenhuma em relação as igrejas em Rio Branco.Esses dias vi um post de alguém falando que as…

Publicado por Marcelo Torres em Segunda-feira, 29 de junho de 2020

Por João Renato Jácome, do Notícias da Hora.