As opções da Globo para 2022: Bolsonaro ou o PT

O artigo de Ascânio Seleme intitulado É hora de perdoar o PT, publicado em 11 de julho no jornal O Globo, talvez possa ser compreendido como um reconhecimento da Globo de que a eleição de 2022 poderá se afunilar para uma disputa entre Bolsonaro e o PT. Para que cheguemos a esta conclusão é preciso supor que o texto de Seleme não tenha sido uma simples iniciativa individual, mas que pelo menos tenha contado com a aquiescência de figuras importantes da empresa. Uma hipótese mais do que razoável.

Destaca-se em seu texto a repetição da menção aos 30% de votos que o PT tem no nível nacional. Ao afirmar isso mais de uma vez ele reconhece que qualquer que seja o candidato do partido, estará no segundo turno de 2022. Trata-se de explicitar o que todos já sabem: 2018 pode ter sido o pior ano da trajetória eleitoral do partido fundado por Lula. Naquela eleição recaíram todos os desgastes advindos de quatro anos de Lava Jato, mídia negativa contínua e de uma crise econômica sem precedentes ocorrida durante o Governo Dilma, do PT. Em que pese tudo isso o partido foi capaz de levar para o segundo turno Haddad, que tinha se tornado candidato apenas um mês antes da eleição. Se o PT fez isso em 2018 é possível imaginar que tal feito venha a se repetir com mais facilidade em 2022.

Por outro lado, também implícito no texto de Seleme está o reconhecimento de que um presidente da república dificilmente deixa de ir para o segundo turno. Tivemos até agora três presidentes que disputaram a reeleição, Fernando Henrique, Lula e Dilma, todos três obtiveram dos eleitores a legitimidade que precisavam para seus respectivos segundos mantados. Considerando-se este histórico, o mínimo que se pode dizer é que Bolsonaro é um forte concorrente em 2022. Ele já foi votado em 2018, é amplamente conhecido pelo eleitorado, está diariamente na mídia, é um bom comunicador, tem um discurso que empolga e mobiliza seus eleitores de direita (ao contrário dos tucanos), tem base social, ideológica e religiosa, enfim, o Presidente tem inúmeros ativos que indicam a obtenção de uma das vagas para o segundo turno de 2022.

A Globo nunca foi tão mal tratada em um governo como está sendo com Bolsonaro. É possível afirmar que se hoje o presidente fosse Fernando Haddad dificilmente o Ministro das Comunicações seria alguém da família de Sílvio Santos, tampouco pastores evangélicos teriam cargos importantes no governo, Edir Macedo e sua TV Record não teriam apoio governamental e a emissora não seria xingada de globolixo nas ruas por pessoas de classe média, antigos telespectadores de suas novelas. De alguma maneira, muita gente hoje na Globo deve pensar nos governos Lula e Dilma como o período do “eu era feliz e não sabia”.

O eleitorado de direita do PSDB foi transplantado para Bolsonaro em 2022. Neste sentido, não será Doria que irá para o segundo turno caso uma vaga seja do Presidente da República. Sérgio Moro foi um juiz de destaque, mas um político pífio. Não soube navegar no mundo de Brasília, que exige avanços, recuos e compromissos. Caso queria ser candidato terá de se aliar a Álvaro Dias, que o próprio Sérgio Moro conhece e reconhece como sendo alguém não muito bem falado na elite política do Paraná. Luciano Huck teria de abrir mão de uma imensa renda certa para tentar vencer uma disputa política totalmente incerta. Ou seja, tudo indica que Bolsonaro é e será o candidato do eleitorado de direita.

Comparar Bolsonaro com o PT é o mesmo que confrontar um indivíduo com uma instituição. O primeiro pode ser irracional, aventureiro, não se preocupar com as grandes questões nacionais, ser cognitivamente limitado e ainda assim ser eleito e governar. Napoleão Bonaparte dissera que a burrice não é um obstáculo para o sucesso na política. Por outro lado, uma instituição jamais é irracional: o saber nela depositado leva em consideração a necessidade de sua sobrevivência no longo prazo. Isso por si só já afasta o risco de aventureirismo. Ademais, partidos grandes como o PT sempre têm uma massa crítica que resulta no debate dos grandes temas e questões nacionais, quer se concorde ou não com a posição do partido quanto a eles.

Diante disso tudo, e considerando-se como Bolsonaro vem tratando a Globo, é evidente que para uma instituição empresarial é melhor lidar no governo com uma instituição partidária do que com um indivíduo imprevisível em quase tudo, menos no tratamento que dispensa à própria Globo.

O mundo dos políticos do baixo clero é pequeno, mesquinho e limitado. Já o mundo das elites política e empresarial é moderado e pragmático: nele não há espaço para o ressentimento. O PT quer voltar a conquistar a presidência da república. A Globo quer não ser mal tratada pelo presidente da república. São dois interesses que podem se alinhar com muita facilidade até 2022.

*Por Alberto Carlos Almeida, da revista VEJA Abril.