Rio Branco, Acre, 30 de setembro de 2020

DF registra casos de síndrome em crianças que tiveram Covid

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Até o final de julho, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal registrou 13 casos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica que podem estar relacionados à Covid-19. A doença atinge crianças e adolescentes com idade entre 7 meses e 16 anos.

O Ministério da Saúde monitora os casos. A pasta afirma que “ainda não há evidências de que a Covid-19 cause a síndrome”. No entanto, conforme informações das Secretarias de Saúde dos estados brasileiros, que registraram a doença, parte dos pacientes apresentou infecção pelo novo coronavírus, ou teve Covid-19.

A médica Marina Barbosa é mãe de um bebê de 9 meses. Há duas semanas, a criança apresentou a doença.

Nesta sexta-feira (7). Marina que, no final do mês de junho, ela e o marido tiveram os sintomas da Covid-19 e testaram positivo para o vírus. Os dois ficaram em casa, isolados.

Mas, em poucos dias, Murilo, o filho do casal, também apresentou sintomas. “A gente já falou logo com a pediatra dele e, na mesma hora, ela disse que era sugestivo para a Covid”, disse Marina.

Os três se recuperaram, no entanto, um mês depois, o filho apresentou manchas vermelhas na pele e uma febre leve. “Achamos que pudesse ser uma alergia. Como eu e meu marido somos médicos, tratamos como uma alergia mesmo”, lembra.

Mas, no dia seguinte, o bebê acordou com os pés e as mãos inchados, além de continuar com febre. Os pais procuraram novamente a pediatra que foi quem desconfiou da síndrome.

“A pediatra sugeriu a síndrome por ter aparecido quatro semanas depois da doença, e pelos pés e mãos inchados”, conta a mãe de Murilo.

Murilo foi internado na UTI de um hospital particular. Segundo os médicos que cuidaram dele, o bebê era o paciente mais novo a apresentar a síndrome no DF.

“Ele fez uma bateria de exames, e tudo deu alterado. No dia seguinte, teve uma melhora, e em 48 horas, as manchas passaram. Ele teve alta e foi pra casa em 4 dias”, afirma.

Semana passada, Murilo repetiu os exames e as taxas no sangue estavam melhores. O bebê continua em tratamento e vai refazer os exames dentro de duas semanas.

Marina conta que, mesmo sendo médica, não quis se aprofundar sobre a doença para não se preocupar excessivamente com o problema. Ela aponta que preferiu confiar e seguir o tratamento que a pediatra e a equipe que cuidou de Murilo no hospital orientaram.

“Com esses casos acontecendo agora, os pediatras já estão mais alertas. E todos foram muito sinceros dizendo que é tudo muito novo e que eles também estão aprendendo com esses casos”, conta Marina Barbosa.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.