Rio Branco, Acre, 1 de outubro de 2020

TJAC fica entre os cinco tribunais com o maior índice de conciliação

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Dados foram divulgados pelo Conselho Nacional da Justiça (CNJ), extraídos do Relatório Justiça em Números 2020

Dados extraídos do Relatório Justiça em Números 2020 e divulgados na terça-feira, 25, pelo Conselho Nacional da Justiça (CNJ), apontam que o Tribunal de Justiça do Estado do Acre (TJAC) ficou em quinto lugar no índice de conciliação.

O relatório traz detalhamento da estrutura e litigiosidade do Poder Judiciário em 2019, além de indicadores e análises que subsidiam a Gestão Judiciária brasileira. São informações sobre a força de trabalho, as despesas e a movimentação processual nos órgãos de Justiça, entre outros dados.

O TJAC, conforme o gráfico, ficou atrás do TJ de Sergipe (24,3%), TJ do Amapá (22,6%), TJ do Mato Grosso (19,0%) e TJ de Roraima (16,7%). O órgão acreano alcançou 16,6% no índice de conciliação total entre os 27 tribunais.

Grafico

No tocante ao índice de conciliação, que é dado pelo percentual de sentenças e decisões resolvidas por homologação de acordo, em relação ao total de sentenças e decisões terminativas proferidas, o TJAC ficou em quinto lugar com 13,3% no comparativo aos tribunais de pequeno porte. Assim como os demais tribunais, no Poder Judiciário do Acre, as conciliações são maiores no primeiro grau de jurisdição que no segundo grau.

A coordenadora do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Resolução de Conflitos (Nupemec), desembargadora Waldirene Cordeiro, destacou que “conciliar sempre vai ser o melhor resultado”.

Ela enfatiza, que o procedimento para a conciliação tem sido reforçado em todo o Poder Judiciário Acreano, independente da instância e, em muitos casos, o resultado tem sido satisfatório.

“Conciliar sempre vai ser o melhor resultado. Pelo acordo, conciliação, o conflito é que fica resolvido, não só o processo. No procedimento, será atendido o que realmente as partes têm interesse. Nesse caso, não é o juiz quem decide sobre o caso, porque quando o juiz decide alguma das partes vai sair insatisfeita. Quando é formulado um acordo, todos saem satisfeitos”, finalizou.

Por intermédio da Resolução CNJ nº 125/2010, foram criados os Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (CEJUSCs) e os NUPEMEC’s, que visam fortalecer e estruturar unidades destinadas ao atendimento dos casos de conciliação. Anualmente, ainda existem as Semanas Nacionais pela Conciliação, em que os tribunais são incentivados a juntar as partes e promover acordos nas fases pré-processual e processual.

  • Agência TJ Acre.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.