Rio Branco, Acre, 22 de setembro de 2020

Diretor Clínico da UPA nega “guerra” com Coordenação, mas confirma parecer técnico contrário ao remanejamento de médicos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

O diretor Técnico e coordenador Regional de Educação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 H, Jaques Pereira Braga, Dr. Oziannedeny Câmara, se manifestou a respeito de matéria publicada sobre a situação do atendimento da unidade que tem perdido qualidade e está tendo demoras, causando problemas aos que lá buscam socorro.

Na avaliação do médico não há nenhum “pé de guerra” entre a direção da UPA do Vale do Juruá e a Coordenação Regional de Saúde do Juruá, que foi o que ele entendeu que ficou explícito na informação veiculada, afirmando que não existe tal situação e ainda reconhece que a Coordenação tenta auxiliar a UPA, apesar do déficit de médicos no Estado.

“Na verdade o déficit de médicos é um problema crônico no município e no estado inteiro. A unidade mais nova da nossa região é a UPA e desde que iniciou já tivemos médicos de outras unidades, uns cedidos, outros transferidos para poder tentar compor e fechar a escala da UPA”, avalia o médico.

Segundo o Dr. Ozzy, a UPA já teve auxílio do diretor da Maternidade, que cedeu uma médica que continua até hoje na unidade. Os médicos do Dermatológico também foram cedidos, afirmando que quem acompanha de perto o serviço da UPA e da Regional sabe que é muito difícil fechar a escala, inclusive já houve até apoio da Secretaria Municipal de Saúde.

“Estamos trabalhado juntos, na verdade sempre foi feito um esforço conjunto. A gente entende que as vezes as pessoas falam demais, sem conhecimento e tentam dar impressão como se estivéssemos num pé de guerra, mas na verdade não é isso, tem médicos, como os do Exército, que não tem disponibilidade de trabalho em certos horários”, afirma.

O médico entende que a região não tem condição de exonerar médico porque ele não pode atender determinados horários e as vezes eles são forçados a pedir exoneração por conta do horário e não há condição de exonerar um médico pelo simples prazer dele não poder trabalho no horário que se quer.

“Não tem como fazer isso e muitas vezes tem que fazer um jogo de cintura de tentar segurar um colega numa coisa específica, no caso dos médicos do Exército que não podem trabalhar durante o dia e colocá-lo em local que ele possa fazer sua carga horário à noite e conseguir outro médico para ficar onde o outro não pode. É isso que está acontecendo”, ressalta.

O diretor Clínico da UPA informa que a unidade é a única que tem um salário diferenciado, com o apoio da Secretaria de Estado do Saúde (Sesacre) e da Coordenação Regional, para facilitar a composição do quadro, no intuito de atrair e facilitar a contratação numa construção de uma relação entre a direção da UPA e a Coordenação Regional de Saúde.

 O médico não comentou sobre o seu parecer técnico que foi indeferindo pela coordenação.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.