Rio Branco, Acre, 25 de setembro de 2020

“Justiceiras do PCC” de SP mandaram matar acreana de 20 anos em Rio Branco

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

A morte da jovem Késia Nascimento da Silva, 20 anos, teve como mandante duas mulheres do alto escalão do Primeiro Escalão do Capital (PCC) de São Paulo. O Domingo Espetacular, da Rede Record, mostrou no último domingo, 6, as escutas telefônicas gravadas pela polícia que revelam até onde pode chegar a tirania e a crueldade dos tribunais organizados por facções criminosas.

É a primeira vez que a polícia registra áudios de um desses tribunais, que foi comandado por mulheres. Em um dos áudios, a dupla Rita Rocha do Nascimento, 40 anos, mais conhecida como “Brenda” e Vera Lucia Marques, 52 anos, eram as pessoas que davam o aval de execução dentro da organização criminosa.

O delegado Marcos Antônio Manfrin, de São Paulo, responsável pela investigação, alertou que as pessoas que entram em organizações criminosas quando quer sair podem ver a situação se complicar. Ele afirmou que Vera Lúcia Marques era quem dava o “aval” para as execuções do Tribunal do Crime.

“Todo julgamento que eles iam fazer mesmo fora do Brasil passava pelo crivo dela [Vera]”, afirmou.

Integrante do PCC, Kesia Nascimento da Silva, era conhecida entre os comparsas como “Rainha Ravelo”, ela morava em Rio Branco e tinha sumido no dia 28 de janeiro deste ano após deixar o filho pequeno em uma lanchonete da família, na Estrada da Floresta, em Rio Branco.

O delegado Martin Hessel, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil do Acre, afirmou que duas mulheres, sendo que uma identificada como “Daniele Daleste” buscaram a jovem Késia em sua residência e levaram ela para ser julgada pela facção, mas antes a organização criminosa deixou o filho de Késia com familiares.

“Levaram ela para um local que chamam de cantoneira”, afirmou o delegado.

O #DomingoEspetacular mostra, com exclusividade, escutas telefônicas gravadas pela polícia que revelam até onde pode chegar a tirania e a crueldade dos tribunais do crime organizados por facções criminosas. É a primeira vez que a polícia registra áudios de um desses tribunais comandados por mulheres.Para assistir à reportagem na íntegra, acesse YOUTUBE.COM/DOMINGOESPETACULAR

Publicado por Domingo Espetacular em Terça-feira, 8 de setembro de 2020

A jovem teve a sua execução decretada por ligação, após ter sido vista com integrantes de uma facção rival (B13). Nas escutas, é possível constatar que a jovem Késia Nascimento da Silva implora por sua vida. “Por favor, por favor, não faz isso!”, afirmou.

Brenda, uma das cabeças do PCC, acompanha a execução escutando através de uma ligação aos comparsas aqui do Acre. Ela argumenta que a jovem cometeu o crime de traição. “Ela está sendo excluída por traição. De bate e pronto, e já é decreto!. Já é decreto”, diz Brenda.

Em outro trecho, Brenda diz para os comparsas aqui do Acre: “Arranca o pescoço, meu. Deixa ela gritar, não. Tampa a boca dela para ela não gritar”.

Investigações

Até o momento foram presas seis pessoas envolvidas na morte de Kesia no Acre. Sendo dois menores e quatro adultos. Foram presos: João Vitor da Cunha Pereira, conhecido como “Cirilo”, Amanda Lima de Moura, pelo codinome “Cacheada”, Camila Cristine de Souza, conhecida como “Riana” e Moisés Inácio da Silva, conhecido como “Sangue bom”.

Brenda e Vera foram presas e indiciadas pelo de tráfico de drogas, homicídio, formação de quadrilha e de mandante de assassinato com o agravante de sem defesa à vítima.

Segundo informações repassadas ao ac24horas, o crime bárbaro ocorreu dia 28 de Fevereiro, no bairro Taquari, às margens do Rio Acre, na capital.

Fonte: AC24horas.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.