Rio Branco, Acre, 20 de setembro de 2020

Homem mata esposa dentro de hospital particular, no DF

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Um homem matou a esposa, na tarde desta segunda-feira (14), dentro de um hospital particular, em Ceilândia, no Distrito Federal. Shirley Rúbia, de 39 anos, buscava atendimento para a filha pequena e foi assassinada a facadas.

  • Homem é preso suspeito de atear fogo em casas da ex-mulher e do filho no Guará
  • Advogado é preso após atear fogo ao carro da ex-namorada

Conforme a assessoria do Hospital São Francisco, a vítima estava na ala pediátrica. O casal chegou junto com a criança, para uma consulta médica.

Anda segundo a assessoria, “em determinado momento, o homem saiu do consultório”. Pouco minutos depois, Rafael Rodrigues Manoel, de 35 anos, voltou com uma faca e atingiu a esposa.

“O médico e a filha do casal presenciaram o crime”, disse a assessoria.

Uma irmã de Shirley Rúbia disse ao G1 que o casal estava separado há quatro meses. Segundo ela, Rafael não se conformava com a separação.

A mulher chegou a ser socorrida, mas não resistiu. Segundo o hospital, a criança foi atendida pelo departamento psicológico da unidade.

Conforme a Polícia Civil, depois de matar a esposa, o suspeito deixou o hospital e cometeu suicídio. Ele foi encontrado em Samambaia, a cerca de 7 quilômetros do local do crime.

Ao G1, a delegada da Delegacia de Atendimento Especial à Mulher (DEAM II), Adriana Romana, disse que o caso é tratado como feminicídio. “Infelizmente mais um”, informou a delegada.

12 feminicídios em 2020Fachada da Delegacia de Atendimento Especial à Mulher (DEAM II) — Foto: SSP-DF/Divulgação

Fachada da Delegacia de Atendimento Especial à Mulher (DEAM II) — Foto: SSP-DF/Divulgação

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF), de janeiro a agosto deste ano, foram contabilizados 12 feminicídios na capital. No mesmo período do ano passado, 21 mulheres foram vítimas do crime.

“Até o mês de julho deste ano, 73,8% dos casos ocorreram dentro de residências. E, em 47,6% dos casos, os autores eram maridos ou companheiros das vítimas. Os dados revelam ainda que em 71% dos casos a motivação foi o sentimento de posse”, afirma a SSP.

Como e onde denunciar violência contra mulheres?

Em meio à pandemia ao novo coronavírus, a Secretaria de Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP) tem canais de atendimento que funcionam 24h. As denúncias e registros de ocorrências podem ser feitos pelos seguintes meios:

Delegacias – que são consideradas serviço essencial – continuam funcionando normalmente. Trinta delas atendem em regime de plantão ininterrupto de 24h.

O DF tem duas Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), na Asa Sul e em Ceilândia, mas os casos podem ser denunciados em qualquer unidade.

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), também recebe denúncias e acompanha os inquéritos policiais, auxiliando no pedido de medida protetiva na Justiça.

Em casos de flagrante, qualquer pessoa pode pedir o socorro da polícia, seja testemunha ou vítima.

  • Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM)
    Endereço: EQS 204/205, Asa Sul, Brasília
    Telefones: (61) 3207-6195 e (61) 3207-6212
  • Delegacia de Atendimento Especial à Mulher (DEAM II)
    Endereço: QNM 2, Conjunto G, Área Especial, Ceilândia Centro
    Telefone: (61) 3207-7391
  • Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)
    Endereço: Eixo Monumental, Praça do Buriti, Lote 2, Sala 144, Sede do MPDFT
    Telefones: (61) 3343-6086 e (61) 3343-9625
  • Prevenção Orientada à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar
    Contato: 3190-5291
  • Central de Atendimento à Mulher do Governo Federal
    Contato: 180

Fonte: G1.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.