Rio Branco, Acre, 28 de outubro de 2020

Presidente de clube é morto a facadas por ex-jogador

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O presidente do Nacional, time de Rolândia (PR), José Danilson Alves de Oliveira, foi morto na noite de quarta-feira, dia 16, após ser atingido por facadas. O suspeito é o ex-jogador do clube, Vinicius Corsini, de apenas 20 anos, que foi preso em flagrante logo depois que cometeu o crime. O dirigente, de 58 anos, chegou a ser levado ainda com vida ao Hospital do Coração de Londrina. Conforme o boletim divulgado pela instituição, ele deu entrada em estado gravíssimo e foi levado para o centro cirúrgico. Após passar por um procedimento de emergência, no entanto, ele não resistiu e faleceu por volta das 21h.

De acordo com o delegado Marcos Rubira, que efetuou o flagrante, José Danilson estava na sua empresa, a Konex Telecom, localizada na Rua Santa Catarina, esquina da Rua Hugo Maria do Vale. Ele foi abordado pelo jogador, que esperava próximo do carro da vitima. Houve uma discussão e, na sequência, ele foi atingido por facadas no pescoço e nas pernas. O atleta fugiu e jogou a arma do crime em uma casa próxima ao local.

Ao ser preso, Vinicius confessou o crime. Segundo o delegado, o rapaz afirmou que a vítima estava dando em cima da sua mãe e, por não gostar da situação, resolveu tirar satisfação com o presidente do ex-clube. Nada foi levado de José Danilson, já que o crime foi de homicídio e não de latrocínio (roubo seguido de morte).

— Ele confessou e contou toda a dinâmica do crime no seu depoimento. Disse que não gostou do fato de a vítima querer ter uma relação amorosa com sua mãe. Ele aguardou Danilson perto do carro, eles discutiram e ele deferiu facadas no pescoço e nas pernas da vítima. Só a perícia vai identificar quantas perfurações foram dadas — diz ao EXTRA, por telefone.

O jovem começou a carreira no Nacional-PR, mas já passou pelo São Paulo Crystal-PB. Atualmente, estava sem clube. Ele negou que o fato de ter deixado a equipe seria um dos motivos para o crime. Conforme Rubira, o suspeito não demonstrou qualquer arrependimento e estava muito calmo enquanto explicava a dinâmica do caso.

— Ele estava calmo e, em nenhum momento, demonstrou arrependimento, até meio frio. Geralmente, eles ficam em silêncio, mas ele quis confessar e contar tudo. Mas ele garantiu que o ato não está ligado ao clube. Ele disse que jogou lá em 2018 e que pediu para ser dispensado. O problema era a relação que a vítima que teria ter com a mãe dele. Já pedi a prisão preventiva do jovem — diz o delegado Rubira.

A mãe do suspeito será chamada para prestar depoimento nos próximos dias. O EXTRA não conseguiu contato com a defesa do suspeito, que tem dois registros de ocorrência, um por roubo e outro por drogas (consumo próprio).

Fonte: EXTRA.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.