Rio Branco, Acre, 27 de outubro de 2020

Boliviano que teve família assassinada pede extradição de assassinos brasileiros para a Bolívia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Com lágrimas nos olhos e voz embargada, o produtor Carlos Rivas relata o brutal assassinato que foi submetida parte de sua família. Mataram sua esposa, dois filhos, estupraram sua filha menor de idade e queimaram sua casa, para depois fugir. Relata que todos os envolvidos nos crimes eram brasileiros.

O caso aconteceu no domingo passado, dia 13 de setembro, na Comunidade Nazaré, localizada no município de Ingavi, província de Abunã, no departamento de Pando. Esta comunidade fica localizada a 14 horas de Puerto Evo, baixando pelo rio ‘Abunã de Peque Peque’, na cercania do Igarapé Preto.

Dois empregados que estariam trabalhando para Carlos, consertando uma embarcação e aproveitando que no dia 12, os pais saíram para pescar e foi quando um dos indivíduos abusou da menina menor de idade.

No domingo, 13 de setembro, a menor contou à mãe o ocorrido e, preocupada com o ocorrido, informou ao marido que sua filha havia sido estuprada por um dos suspeitos brasileiros.

Após saber do acontecido, o pai imediatamente cruza a fronteira do Brasil, para denunciar os indivíduos após chegar na cidade de Acrelândia. Após a denuncia do caso, solicitou que o acompanhasse até a propriedade, mas a Polícia Militar não pode ir, dizendo que não poderiam ingressar no território boliviano.

Ao retornar, foi avisado por um de seus vizinhos que tivesse cuidado, por havia passado três motos e seis pessoas fortemente armados com espingardas e rifles rumo à sua casa. Ao chegar na sua embarcação no rio Abunã, conta que os mesmos teriam levado seu barco e nesse instante, escutou vários disparos.

Desesperado, conta que andou cerca de uma hora pelas margens do rio acima e foi quando encontrou outros vizinhos em um barco, transportando sua filha que foi estuprada e depois ferida com um tiro de escopeta. Ela teria desmaiado e acreditaram que estava morta, fato esse que salvou sua vida.

Os outros suspeitos teriam continuado a assassinar outros dois filhos e sua esposa, sendo deixados debaixo de uma árvore sem vida. Não satisfeitos, queimaram a casa, roubaram dinheiro da família e depois fugiram.

Na cidade de Acrelândia, no lado brasileiro, a polícia localizou a casa de um dos assassinos que foi detido e encontrou parte dos pertences da família assassinada. Até o momento, quatro pessoas foram detidas e dois estão foragidos.

O pai chegou na cidade de Cobija e conseguiu com apoio dos vizinhos, dar um enterro para sua família. Denunciam que esse não seria a primeira vez que acontece na localidade. Existem muitos brasileiros que invadem o lado boliviano para levar madeira, palmito, castanha, açaí e nada fazem.

Seu Carlos está em Cobija buscando justiça através das autoridades locais pelo assassinato de sua família e não quer que fique impune como muitos que já ocorreram. Solicitou que a extradição dos assassinos para que cumpram suas penas no presídio de Chonchocoro em La Paz e pede apoio dos meios de comunicação, dos Direitos Humanos e a Defensoria da Criança e Adolescente, pois violaram uma criança.

  • Com informações do Alto Acre.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.