Rio Branco, Acre, 26 de outubro de 2020

Mulher pede na Justiça auxílio de US$ 1.000 após fala de Bolsonaro na ONU

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma desempregada entrou na Justiça contra a União, após o presidente Jair Bolsonaro afirmar em discurso na Organização das Nações Unidas (ONU), na última terça-feira (22), ter pago US$ 1.000 (cerca de R$ 5.540) de auxílio emergencial para cada brasileiro. A mulher, que mora em Santa Teresa, na região central do Rio, acionou a advogada para reivindicar a diferença entre o valor recebido e o valor divulgado pelo presidente.

A mulher, que não terá o nome divulgado, recebeu apenas cinco parcelas de R$ 600. O montante pago, até o momento, foi de R$ 3.000.

Schelp: “Fala de presidente na ONU é uma aula de como fazer fake news”
A advogada, Leila Loureiro, disse que a cliente vive em condições de vulnerabilidade e contou que a procurou achando que tinha direito a receber outros valores. Segundo a advogada, a ação busca reparação de cunho pedagógico.

“A ação é inédita e não é tão simples, mas a gente concluiu que a fala do presidente tem repercussão no mundo dos fatos, o presidente está como chefe de estado perante a Assembleia da ONU e é necessário responsabilidade no discurso. A gente busca reparação de cunho pedagógico para que nossos líderes entendam que existe materialização da fala. Essas pessoas são credoras”, afirmou a advogada.

Na ação, a defesa da dona de casa cita que ela recebeu apenas quatro parcelas de R$ 600, mas o documento deve ser corrigido na segunda-feira. O número correto recebido pela mulher é de cinco parcelas. A defesa busca o pagamento da diferença entre o valor pago e o anunciado pelo presidente. Além disso, a advogada pede, ainda, dano moral de R$ 9.420.

A advogada Leila Loureiro deu entrada no processo na quinta-feira (24). Na sexta (25), a juíza federal substituta Angelina de Siqueira intimou a União Federal a prestar informações em 10 dias e, caso não reconheça o pedido, apresentar contestação em até 30 dias.

“A decisão da Justiça sinaliza que não estamos delirando e que existe fundamento legal na ação”, comentou a defesa.

Procurado, o Palácio do Planalto informou que não vai se pronunciar sobre o caso.

Em live nas redes sociais, o presidente afirmou que o cálculo foi feito com base no volume pago e a quantidade de brasileiros que receberam o auxílio, somadas as parcelas.

“Eu disse no meu discurso da ONU que o total do auxílio emergencial era próximo de US$ 1.000, na verdade, dá US$ 960, mas foi o suficiente para baterem em mim”, comentou. “Dos 65 milhões que receberam de R$ 600 tínhamos ali 12 milhões de senhoras com filhos, essas receberam o dobro, o que eleva a média”, justificou.

Fonte:Notícias da Hora.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.