Rio Branco, Acre, 27 de outubro de 2020

Assistência Social do Estado e Funai se reúnem para fortalecer atendimento aos indígenas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A Secretaria de Estado de Assistência Social dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SEASDHM), por meio da Diretoria de Política de Assistência Social, em parceria com a Fundação Nacional do Índio (Funai), reuniu-se com a equipe da rede socioassistencial de Brasileia para tratar do amparo à população indígena do município, além de garantir o fortalecimento do Sistema Único de Assistência Social (Suas).

O encontro foi realizado na última semana, nos dias 24 e 25 de setembro, com a realização de uma roda de conversa com conselheiros tutelares e servidores do Cras e do Creas (Centro de Referência de Assistência Social e  Centro de Referência Especializado de Assistência Social). Os conselheiros e profissionais aproveitaram a oportunidade para tirar dúvidas a respeito do atendimento diferenciado aos indígenas que residem no município.

A técnica de referência para Assuntos Indígenas da SEASDHM, Andréia Guedes, explica o que foi tratado durante a reunião: “Nós da SEASDHM prestamos assessoria técnica para que os municípios desenvolvam ações com as famílias indígenas e elas venham ser incluídas nos serviços da rede socioassistencial, a fim de saírem da condição vulnerável em que hoje se encontram. Durante a ação, realizamos visita a algumas famílias na invasão 28 de julho”.

O Município de Brasileia não tem território indígena, mas possui uma população indígena com cerca de 30 famílias que residem na zona urbana, no bairro Leonardo Barbosa e invasão 28 de Julho. Esses bairros se interligam e são considerados áreas de extrema vulnerabilidade social e pessoal.

Conselheiros e profissionais aproveitaram a oportunidade para tirar dúvidas a respeito do atendimento diferenciado aos indígenas que residem no município Foto: Cedida.

De acordo com a coordenadora, a maioria dessas  pessoas são descendentes dos povos Jaminawá e se tornaram mais vulneráveis porque muitos não falam português. “Cremos que depois das orientações feitas por nós e pelo servidor da Funai, o atendimento será qualificado”, ressaltou Guedes.

A SEASDHM realiza ações em todos os municípios do Acre onde há terras indígenas e também no município de Brasileia, que abriga indígenas na zona urbana.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.