Rio Branco, Acre, 19 de janeiro de 2021

‘Não compraremos a vacina da China’, diz Bolsonaro em rede social

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Com informações G1
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em sua página no Facebook nesta quarta-feira (21), que o Brasil não irá comprar “a vacina da China”.

Presidente Jair Bolsonaro responde em rede social que não comprará vacina da China. — Foto: Reprodução

Presidente Jair Bolsonaro responde em rede social que não comprará vacina da China. — Foto: Reprodução

A afirmação foi feita em resposta a uma seguidora na rede social que pediu a exoneração do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. “Bom dia presidente. Exonera Pazuelo urgente, ele está sendo cabo eleitoral do Doria. Ministro traíra”, escreveu a seguidora, referindo-se a João Doria (PSDB), governador do estado de São Paulo.

“Tudo será esclarecido ainda hoje. Não compraremos a vacina da China”, respondeu o presidente.

Na terça-feira (20), o Ministério da Saúde havia anunciado a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac. A empresa tem um acordo com o governo de São Paulo para fornecimento da vacina pronta e, também, para a transferência da tecnologia de produção para o Instituto Butantan(veja detalhes mais abaixo).

Nesta quarta, após o post de Bolsonaro, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, afirmou, que “não há intenção de compra de vacinas chinesas” contra a Covid-19.

Mais cedo, horas depois de Bolsonaro escrever a resposta à seguidora, na mesma rede social, o presidente postou: “minha decisão é a de não adquirir a referida vacina”.

O presidente também escreveu que, antes de ser disponibilizada à população, a imunização deve ser “comprovada cientificamente pelo Ministério da Saúde e certificada pela Anvisa”.

Ao anunciar o acordo na terça-feira, o próprio Ministério da Saúde informou que, para que a imunização tenha início, as vacinas – tanto a da Sinovac como a de Oxford, que também está em fase avançada de testes no Brasil – “devem ser liberadas pela Anvisa e ter eficácia e segurança garantidas”.

Horas depois da primeira postagem, Bolsonaro fez uma segunda (na foto), na qual dizia que 'minha decisão é a de não adquirir a referida vacina'. — Foto: Reprodução/Facebook

Horas depois da primeira postagem, Bolsonaro fez uma segunda (na foto), na qual dizia que ‘minha decisão é a de não adquirir a referida vacina’. — Foto: Reprodução/Facebook

Pazuello desautorizado

Segundo auxiliares do presidente, Bolsonaro desautorizou Pazuello. Ao blog da Andréia Sadi, fontes do Planalto disseram acreditar que o governo não vai recuar da compra, desde que duas condições sejam atendidas:

  • que a vacina seja aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa);
  • e que a vacinação não seja obrigatória.

Em fevereiro, o governo federal sancionou uma lei que prevê que a vacinação contra a Covid-19 pode ser obrigatória. Na semana passada, o governador de São Paulo afirmou, em coletiva de imprensa, que a imunização será compulsória no estado.

Contrato com SP

O governo de São Paulo já havia fechado um contrato com a Sinovac para as mesmas 46 milhões de doses compradas pelo governo federal.

O acordo previa que a farmacêutica enviasse 6 milhões de doses da vacina já prontas até dezembro, enquanto as outras 40 milhões teriam o processamento finalizado (o envasamento) no Butantan. Não está claro a quais doses Bolsonaro se refere ao dizer que não comprará vacina da China.

De acordo com Dimas Covas, diretor do Butantan, até o final do ano o instituto teria as 46 milhões de doses prontas. O acordo incluía, além da compra das doses, uma transferência de tecnologia para que o Butantan pudesse fabricá-las em território brasileiro a partir de 2021.

Ao apresentador da GloboNews José Roberto Burnier, o secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse acreditar que Bolsonaro se refere às 6 milhões de vacinas que virão prontas da China, e não às 40 milhões que serão finalizadas no Brasil.

O governo paulista também anunciou a previsão de adquirir mais 15 milhões de doses até fevereiro de 2021, chegando ao total de 61 milhões com verba própria. A expectativa era que, com o dinheiro do governo federal, mais 40 milhões fossem adquiridas, chegando a 100 milhões até maio de 2021.

Negativas

Na manhã desta quarta, o site “Poder360” afirmou que o presidente mandou mensagem a ministros dizendo que não compraria “vacina da China”.

Segundo uma postagem feita também na manhã desta quarta, no Twitter (veja abaixo), pelo deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), apoiador de Bolsonaro, o presidente disse a uma outra apoiadora que o governo não compraria “a vacina chinesa” – como é conhecida a CoronaVac. Essa segunda postagem não está disponível no Facebook do presidente.

Segundo uma postagem feita na manhã desta quarta-feira (21), o presidente disse a uma apoiadora que o governo não compraria "a vacina chinesa". Essa segunda postagem não está disponível no Facebook do presidente. — Foto: Reprodução/Twitter deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ)

Segundo uma postagem feita na manhã desta quarta-feira (21), o presidente disse a uma apoiadora que o governo não compraria “a vacina chinesa”. Essa segunda postagem não está disponível no Facebook do presidente. — Foto: Reprodução/Twitter deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ)

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.