Rio Branco, Acre, 30 de novembro de 2020

Após 40 dias internada, boliviana que viu família ser morta após estupro recebe alta no Acre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Com informações do G1 Acre.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Após 40 dias internada, a adolescente boliviana de 14 anos que viu a mãe e os dois irmãos serem mortos e também levou quatro tiros após ser estuprada por um acreano teve alta médica do pronto-socorro de Rio Branco nesta sexta-feira (23). A informação foi confirmada pela direção da unidade de saúde.

A menina chegou a passar por três cirurgias, sendo uma no braço assim que chegou no hospital, ainda em setembro, e outras duas no dia 15 de outubro, no braço e no maxilar.

“Ela recebeu alta ontem [quinta, 22] e o caso dela vai permanecer sendo acompanhado pelo Ministério Público”, disse o diretor do PS, Areski Peniche.

Em 18 de setembro, ela apresentou alterações nos exames e, por segurança, foi levada para uma UTI do Hospital da Criança para manter a estabilidade do quadro clínico. No dia 1º de outubro, voltou ao pronto-socorro da capital para aguardar pelas novas cirurgias.

Acompanhamento pelo MP

Desde que chegou na capital acreana, a adolescente tem sido acompanhada por uma equipe do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Infância, Educação e Execução de Medidas Socioeducativas (Caop) do Ministério Público do Acre.

“Quem está acompanhando a questão processual é a promotoria de Acrelândia e nós aqui do Caop, em Rio Branco, estamos fazendo a mediação e dando suporte até ela poder voltar para onde morava. Temos uma técnica acompanhando ela e o pai na saída do hospital até o local onde vão ficar aqui na capital, na semana que vem vai ter retorno médico e também vamos acompanhar e, na próxima sexta-feira [30], ela vai ser ouvida e vamos buscar e deixar também”, informou a secretária do Caop, Vanderleia Alves.

Relembre o caso

O crime ocorreu no último dia 13 de setembro, na área de fronteira entre o Acre e a Bolívia, depois que o pai da menina flagrou um acreano estuprando a filha e decidiu amarrá-lo para chamar a polícia.

Parentes do suspeito de estupro então apareceram e atacaram a família boliviana em sua propriedade, que fica perto das cidades de Acrelândia e Plácido de Castro, no Acre. Após atirar contra a família (mãe e dois filhos morreram), os suspeitos ainda queimaram a casa.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.