Rio Branco, Acre, 30 de novembro de 2020

Eleição 2020 tem candidato que está em lista suja do trabalho escravo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Com informações Uol
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

As eleições municipais deste ano vão ter um candidato a vereador que consta na “lista suja” do trabalho escravo. A informação foi obtida após um cruzamento de dados de dois órgãos: o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e o antigo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), hoje Ministério da Economia. Apesar de constar na lista, o político pode concorrer normalmente, já que não foi condenado. O candidato nessa situação é Geraldo Dorneles Amaral (PSC), que tenta uma vaga de vereador em Itaberaí (GO), a 102 km de Goiânia. Ele já foi vice-prefeito do município e vereador. Em 2016, disputou a prefeitura pelo PSD, sem ganhar. A reportagem tentou, sem sucesso, contato com ele. 

Seu nome foi incluído na “lista suja” em abril deste ano por manter dois funcionários em condições análogas à de escravidão em uma fazenda onde trabalhavam na extração de areia em um riacho. A fiscalização ocorreu em 2018.

A reportagem teve acesso ao relatório de fiscalização, de 41 páginas, elaborado pelo setor de inspeção do trabalho da Superintendência Regional do Trabalho em Goiás. Segundo o documento, as condições dos trabalhadores eram “degradantes”, desumanas e indignas, o que configurou a situação análoga à condição de escravo. Sobre o alojamento, localizado a um quilômetro de onde os empregados atuavam, os fiscais frisaram que se tratava de um “local improvisado, não servindo para ser usado com alojamento”.

O barraco não possuía portas, o piso era de chão batido e não havia banheiro, por isso “as necessidades fisiológicas eram feitas no mato”, conforme o relatório.

Também tinha “que tomar banho no rio ou do lado de fora do barraco, usando um balde para jogar água no corpo”. Além disso, a água usada para beber ou cozinhar era obtida diretamente em um rio “onde o gado também tomava água”, segundo o documento. Também não havia camas no barraco nem iluminação, já que a energia elétrica estava danificada havia vários meses, segundo os fiscais.

Após levantamento preliminar e geral dos fatos, os auditores fiscais do trabalho e o procurador do trabalho Marcello Ribeiro Silva concluíram “unanimemente, tratar-se de submissão de trabalhadores a condições análogas às de escravo, na modalidade de labor em condições degradantes”. O local foi interditado.

Foi constatada a prática de 13 infrações à legislação trabalhista por parte de Amaral, “sendo algumas delas de forma grave e intensa”. “Tais irregularidades, em seu conjunto, caracterizam situação inaceitável de ofensa à dignidade da pessoa humana”, segundo o documento.

O político afirmou que contratou os dois empregados em abril de 2018, menos de três meses antes da fiscalização. Entretanto, os fiscais afirmaram que a situação perdurava por cerca de dois anos, com outros trabalhadores. Os dois funcionários foram resgatados e, três dias após a fiscalização, receberam as verbas rescisórias que totalizaram pouco mais de R$ 9.600.

Sem condenação, político pode concorrer

Amaral não foi condenado, por isso não é considerado inelegível a concorrer neste ano. Segundo a legislação eleitoral, é preciso que ele seja condenado em segunda instância, por órgão colegiado. Não é o caso dele, já que o inquérito foi arquivado.

Em 11 de abril do ano passado, o político assinou um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com o MPT (Ministério Público do Trabalho), se comprometendo a cumprir uma série de exigências. A reportagem também teve acesso ao documento.

Entre as exigências que o político teve de atender, estão garantir o fornecimento de água potável. Caso não cumprisse, haveria multa de R$ 500 por trabalhador e por situação. O político precisou também fornecer alimentação, instalações sanitárias e alojamentos e deixar de contratar menores de 18 anos.

No termo, a procuradora do trabalho Cirêni Batista Ribeiro exigiu que o político deixasse de manter os empregados em condições contrárias de proteção do trabalho. Em caso de descumprimento, deveria pagar R$ 20 mil por trabalhador.

Conforme o MPT de Goiás, o TAC foi cumprido em julho deste ano e, em seguida, o inquérito civil público foi arquivado. Já na esfera criminal não foi ajuizada ação, de acordo com o MPF (Ministério Público Federal) de Goiás.

“O procedimento que havia contra Geraldo Dorneles Amaral não configurava crime, no entendimento do procurador da República. Foi pedido, na sequência, o arquivamento (2019). A Justiça Federal homologou esse arquivamento. Portanto, de forma objetiva, não há procedimentos atualmente contra ele”, afirmou a assessoria do MPF de Goiás.

Em observação

Amaral vai ficar por ao menos dois anos nesta relação, em uma “lista de observação”, e pode sair depois de um ano, caso os compromissos sejam cumpridos.

A reportagem questionou a Secretaria de Inspeção do Trabalho do Ministério da Economia sobre o caso, mas ainda não obteve retorno.

A candidatura dele foi analisada em 12 de outubro pelo promotor eleitoral Leonardo Seixlack Silva. Procurado pelo UOL, o promotor disse desconhecer que o nome do político estava na “lista suja”. “O fato de constar na lista não impede que ele seja candidato. Para que ele tenha os direitos políticos suspensos é preciso atender as condições de inelegibilidade [ser condenado e não poder mais recorrer].”

“Como atuo apenas na seara eleitoral, não tenho providência a ser tomada”, disse.

Um dia após a manifestação do MP, a juíza Laura Ribeiro de Oliveira também aceitou a candidatura. A reportagem tentou falar com a magistrada, sem retorno.

A reportagem procurou o político, mas não conseguiu falar com ele. Foram feitas ligações para o telefone celular dele e deixadas mensagens no WhatsApp. Porém o candidato não atendeu as ligações nem respondeu as mensagens.

Também foram deixadas mensagens no perfil do Facebook e no e-mail que consta no registro da candidatura. Até a última atualização deste texto, não houve retorno, mas seus comentários serão incluídos assim que ele se manifestar.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.