Rio Branco, Acre, 30 de novembro de 2020

Jornalista e filha de padre diz que celibato é uma “hipocrisia” da Igreja Católica

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Com informações da Folha do Acre.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A jornalista Mariama Morena usou as redes sociais na última segunda-feira (26) para fazer um desabafo sobre o celibato dos padres da Igreja Católica.

Mariama fez uma espécie de revelação para a maioria dos seu seguidores ao publicar que é filha de um padre e que por muito tempo não comentou publicamente sobre o assunto. Ela se posicionou contra o celibato sacerdotal e chegou a classificar a medida da Igreja Católica como “hipocrisia”.

“Como filha de padre, que viu o pai ter que escolher entre a batina e a possibilidade de construir uma família (e ele preferiu a igreja, vivendo como padre até os últimos dias de sua vida), eu vejo o celibato como uma grande hipocrisia que persiste na igreja católica”, disse a jornalista.

Morena fez a publicação três dias após o Papa Francisco dar uma declaração sobre a união civil de casais do mesmo sexo, onde alegou que a Igreja Católica precisa aceitar que os gays também podem formar uma família cristã. A jornalista disse que espera que o tema celibato também seja discutido dentro da igreja.

Confira abaixo a publicação de Mariama Morena:

“Acho fantástico o papa Francisco defender a união civil de casais do mesmo sexo. Mas eu queria ouvir dele que os padres também merecem esse direito. Como filha de padre, que viu o pai ter que escolher entre a batina e a possibilidade de construir uma família (e ele preferiu a igreja, vivendo como padre até os últimos dias de sua vida), eu vejo o celibato como uma grande hipocrisia que persiste na igreja católica. Nunca falei publicamente desse assunto. Mas a gente precisa falar sobre isso. Tenho certeza que não sou a única. E eu sei que pesou para o meu pai o fato de que reconhecer uma filha, assumir um romance significaria o fim de sua vida dedicada à igreja. Tive o reconhecimento de paternidade tardio, depois de uma ação judicial. Na época, o pedido foi manter a história em sigilo. Sem escândalos. E assim eu fiz, na esperança de um dia ser acolhida. Mas o sobrenome não supriu a ausência. Meu pai morreu sem me dar um abraço. Quantos órfãos do celibato temos pelo mundo? Até quando a igreja vai negar a natureza de um homem e de uma mulher para preservar seu patrimônio? Precisamos falar sobre isso”.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.