Rio Branco, Acre, 28 de novembro de 2020

Site de Rio Branco-AC reconhece racismo contra indígenas em retratação pública

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Leandro Altheman
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Por matéria depreciativa aos povos indígenas do Acre publicada, site da capital acreana foi obrigado mediante termo de ajustamento de conduta a se retratar publicamente.

A reportagem publicada ofendia aos povos Huni Kui e Yawanawá. A matéria original, que já foi retirada do ar, associava a aberturas das rotas de turismo nas aldeias do estado, ao uso de drogas e prostituição. Sem embasamento jornalístico, o site apenas publicou a opinião de um indígena que se opõe à abertura das aldeias para o turismo, sem conhecer a realidade da atividade nas aldeias acreanas.

O processo de abertura das aldeias indígenas acreana a diferentes modelos de visitação, tem sido um processo lento e gradual, iniciado ainda nos anos 2000 com os primeiros festivais. De lá para cá, muito debate tem sido realizado nas aldeias para a implantação desse etnoturismo. As aldeias que optaram por aderir às rotas de etnoturismo estabelecem um calendário de atividades e agendamento de grupos de acordo com seu interesse e necessidade, sem interferir nas atividades tradicionais de agricultura, pesca e caça e no ambiente de convivência familiar.

O lançamento das rotas de etnoturismo pelo Estado do Acre ocorreu durante o governo Tião Viana com participação ativa das organizações indígenas. A atividade continua sendo apoiada pelo atual governo Gladson Cameli, que recentemente esteve em visita na Terra Indígena Yawanawá.

A retratação ocorreu por via judicial a partir de mobilização da Federação do Povo Huni Kui – FEPHAC que representa a totalidade de associações do povo Huni Kui, com população estimada em 3.500 pessoas, vivendo em diferentes territórios no Acre.

Segue a Nota Publica de Retratação

NOTA PÚBLICA DE RETRATAÇÃO

“Por força do Termo de Ajustamento de Conduta n. 2/2020, firmado com o Ministério Público Federal, a Federação do Povo Huni Kui do Estado do Acre – FEPHAC, no inquérito civil n. 1.10.000.000657/2019-93, este veículo de comunicação se retrata publicamente pedindo desculpas para toda comunidade indígena e acreana, e reconhece que a matéria intitulada “turismo indígena atrairia gringos, dinheiro e drogas para as aldeias do Acre” (em referência específica ao povo Huni Kui e Yawanawa) apresentou conteúdo equivocado e distorcido, não condizente com a realidade. A notícia repercutiu como conotação de racismo e preconceito étnico e social em meio aos parceiros e apoiadores da causa indígena.
E a fim de ressaltar a importância da valorização da cultura indígena, este jornal publicita o apreço a todos os povos indígenas, em especial aos do Estado do Acre, e com isso, se compromete a trabalhar respeitando os termos da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 e da Convenção n. 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que reconhecem, respectivamente, aos povos indígenas a sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam (art. 231, da CF), bem como a consulta livre, prévia e informada antes de serem tomadas decisões que possam afetar seus bens ou direitos (obrigação estatal de consulta).”

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.