Rio Branco, Acre, 17 de janeiro de 2021

Expectativa de vida cresce três meses e mortalidade infantil cai no Acre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

De acordo com o IBGE, em 2019 a expectativa de vida no Acre era de 74,8 anos, três meses a mais que a estimativa de 2018 (74,5 anos).

Apesar de vir numa crescente, o tempo médio de vida de uma pessoa nascida no Acre continua bem menor que a média nacional: uma pessoa nascida no Brasil em 2019 tinha expectativa de viver, em média, até os 76,6 anos. Esse valor tal qual o do Acre também representa um aumento de três meses em relação a 2018 (76,3 anos).

No levantamento relativo a 2018, a vida média havia acrescidos três meses. Assis, em dois anos a projeção de vida no Acre aumentou seis meses.

A expectativa de vida dos homens passou de 72,8 para 73,1 anos e a das mulheres foi de 79,9 para 80,1 anos, segundo a média nacional.

A expectativa de vida dos acreanos é melhor que a de nascidos em quinze Estados, grande parte localizada na Amazônia e no Nordeste.

Entre as unidades da federação, a maior expectativa de vida foi verificada em Santa Catarina (79,9 anos), com 3,3 anos acima da média nacional, e a menor, no Maranhão (71,4 anos).

Os acreanos vivem 6,8 anos a menos que as acreanas: uma mulher nascida no Acre vive 78,4 anos enquanto o homem, 71,6 anos.

Essas e outras informações estão disponíveis na Tábua Completa de Mortalidade para o Brasil – 2019, que apresenta as expectativas de vida às idades exatas até os 80 anos, e são usadas como um dos parâmetros para determinar o fator previdenciário, no cálculo das aposentadorias do Regime Geral de Previdência Social.

A probabilidade de um recém-nascido não completar o primeiro ano de vida era no Acre era de 15,3 para cada mil nascimentos. Esse valor é cinco meses menor que a estimativa anterior. A mortalidade infantil segue há vários tendência de queda no Acre mas continua alta em relação à média brasileira.

No país, a mortalidade infantil era de 11,9 para cada mil nascidos vivos, ficando abaixo da taxa de 2018 (12,4). Essa caiu 91,9% desde 1940, quando chegava a 146,6 óbitos por mil nascimentos.

A mortalidade na infância (crianças menores de 5 anos) também declinou, de 14,4 por mil em 2018 para 14,0 por mil em 2019. Das crianças que vieram a falecer antes de completar os 5 anos de idade, 85,6% teriam a chance de morrer no primeiro ano de vida e 14,4% de vir a falecer entre 1 e 4 anos de idade.

Entre 1940 e 2019 a mortalidade infantil apresentou declínio da ordem de 91,9%, sendo que a taxa de mortalidade entre 1 a 4 anos de idade diminuiu 97,3%. Neste período foram poupadas aproximadamente 135 vidas de crianças menores de 1 ano para cada mil nascidas vivas e 198 vidas de crianças de até 5 anos. Em 1940, a taxa de mortalidade na infância (crianças de até 5 anos) era de aproximadamente 212,1 óbitos para cada mil nascidos vivos. Em 2019, a taxa foi de 14,0 por mil.

Fonte: AC24horas / Imagens: Sérgio Vale.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.