Rio Branco, Acre, 24 de janeiro de 2021

Em nova classificação de risco, Alto Acre avança para Bandeira Verde, enquanto Baixo Acre e Juruá se mantêm na Amarela

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A mais nova coletiva de anúncio da classificação de risco das regionais de saúde do Acre no avanço da pandemia de Covid-19, realizada na manhã desta sexta-feira, 27, destacou a mudança pela primeira vez da regional do Alto Acre para a Bandeira Verde (Nível de Cuidado), enquanto Baixo Acre-Purus, Juruá e Tarauacá-Envira se encontram na Bandeira Amarela (Nível de Atenção).

Embora a avaliação seja referente ao período entre 8 a 21 de novembro, o governo do Acre, por meio da Secretaria de Saúde (Sesacre) e o Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19, destacaram que nas últimas semanas houve um aumento acentuado no número de casos da doença em quase todo o estado, mas que esse número entrou em um processo de manutenção e redução na última semana, estando ainda longe do pior cenário de novos casos, cujo auge foi em maio.

Segundo a avaliação da última janela epidemiológica, o Alto Acre apresentou uma queda nas notificações por síndrome gripal, internações e casos confirmados de Covid-19. Já o Baixo Acre-Purus apresentou um crescimento pequeno de quase todos seus indicadores, incluindo ocupação de leitos clínicos e de UTI, mas com redução de óbitos, apresentando uma estabilidade. Juruá e Tarauacá-Envira, que estavam anteriormente em Bandeira Laranja, também apresentaram melhora em seus indicadores, com redução no número de óbitos.

Já o Baixo Acre-Purus apresentou um crescimento pequeno de quase todos seus indicadores, incluindo ocupação de leitos clínicos e de UTI, de acordo com a classificação Foto: Diego Gurgel/Secom

A coordenadora do Grupo de Apoio ao Pacto Acre Sem Covid, Karolina Sabino, lembrou que essa já é a 12ª coletiva de anúncio da classificação de risco e que, embora muita coisa já tenha mudado desde a chegada da pandemia ao Acre, esse é um trabalho contínuo e de todos, com responsabilidades do poder público e da população.

“Temos uma ferramenta de trabalho confiável, que reflete o momento exato que estamos passando. Nós esperamos que todos os esforços sejam mantidos não apenas pelo poder público, mas principalmente pela população, com o reforço das medidas sanitárias. Estamos nos aproximando das festas de fim de ano e esses cuidados são essenciais”, observa Karolina.

Coordenadora do Grupo de Apoio ao Pacto Acre Sem Covid, Karolina Sabino, lembrou que essa já é a 12ª coletiva de anúncio da classificação de risco  Foto: Diego Gurgel/Secom

O governador Gladson Cameli aproveitou para mandar um recado, pedindo que toda a população aprenda, neste momento, a conviver com o vírus, sem abrir mão das medidas sanitárias de proteção, como o uso de máscaras, limpeza das mãos e distanciamento social.

Durante este momento do avanço da pandemia em todo o mundo, o governo do Acre, com o apoio do governo federal, realizou um investimento histórico na área de saúde pública, com a criação de 90 leitos de UTI e 352 leitos clínicos destinados ao combate da Covid-19, junto a dois hospitais de campanha, além do oferecimento atual de ampla testagem. Entretanto, mesmo com tamanho avanço em tão curto tempo, os cuidados pessoais e coletivos seguem necessários para que o sistema não corra risco de no futuro entrar em colapso.

O próximo anúncio está marcado para o dia 11 de dezembro.

Funcionamento de setores comerciais e sociais

O Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19 também divulgou uma nova resolução que trata sobre o enquadramento dos setores e das atividades comerciais autorizadas a funcionar de acordo com cada um dos níveis de risco estabelecidos no Pacto Acre Sem Covid.

A nova resolução unifica todas as anteriores relacionadas ao funcionamento dos setores comerciais e sociais durante a pandemia, dando abertura para que praticamente todos possam operar a partir da Bandeira Laranja com quantitativo de capacidade reduzido e adoção de protocolos sanitários, além das medidas de proteção individuais. Assim, atividades como a abertura de academias, igrejas, bares e restaurantes, que não eram permitidos na Bandeira Laranja, passam a ser com uma redução ainda maior da encontrada na Bandeira Amarela.

Secretário de Saúde, Alysson Bestene, disse que a nova resolução é fruto de um trabalho coletivo, em que o governo do Acre ouviu e ponderou os anseios dos representantes comerciais e sociais Foto: Diego Gurgel/Secom

Segundo o secretário de Saúde, Alysson Bestene, a nova resolução é fruto de um trabalho coletivo, em que o governo do Acre ouviu e ponderou os anseios dos representantes comerciais e sociais, mudando níveis de abertura e medidas para que haja segurança para toda a população.

“É uma revisão de todos os segmentos, trazendo o funcionamento de todos os setores comerciais e sociais para a Bandeira Laranja com quantitativo menor. E é um trabalho que não para no poder público. Cada pessoa precisa fazer sua parte, desde o setor privado e a população, para que não haja retrocesso por disseminação da doença”, avalia Bestene.

Metodologia

O Pacto Acre sem Covid é uma ferramenta destinada a viabilizar a harmonia entre o desenvolvimento econômico, o direito de proteção à saúde e os valores sociais do trabalho, tendo por finalidade fundamental a efetiva proteção do direito à vida.

De acordo com o método definido pelo Pacto Acre sem Covid, a classificação em nível de risco é realizada conforme a delimitação territorial das regionais de Saúde do estado, a saber:  região do Alto Acre (Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri), Baixo Acre e Purus (Acrelândia, Bujari, Capixaba, Jordão, Manoel Urbano, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco, Santa Rosa do Purus, Sena Madureira e Senador Guiomard) e a região do Juruá e Tarauacá-Envira (Cruzeiro do Sul, Feijó, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Rodrigues Alves e Tarauacá).

Pacto Acre sem Covid é uma ferramenta destinada a viabilizar a harmonia entre o desenvolvimento econômico, o direito de proteção à saúde e os valores sociais do trabalho Foto: Neto Lucena/Secom.

A classificação em níveis de risco (bandeiras), expressa por meio de uma nota geral que varia de 0 a 15, é obtida por meio da mensuração de sete índices, sendo eles: isolamento social, notificações por síndrome gripal, novas internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave, novos casos por síndrome gripal Covid-19, novos óbitos por Covid-19, ocupação de Leitos Clínicos Covid-19 e ocupação de UTIs Covid-19.

Os níveis de classificação de risco foram divididos em Vermelho, Laranja, Amarelo e Verde, respectivamente do mais restritivo para o mais flexível. A cada 14 dias é realizada uma nova avaliação dos indicadores, cabendo às prefeituras realizar a autorização das atividades permitidas no respectivo nível de risco apurado por meio de decreto municipal, bem como a instituição de protocolos sanitários a serem seguidos pelos setores da economia que estejam autorizados a funcionar. Um trabalho que envolve Estado, prefeituras e entidades e que deve contar com o apoio de toda a comunidade.

Para mais informações de protocolos, acesse: http://covid19.ac.gov.br/

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.