Rio Branco, Acre, 19 de janeiro de 2021

Senado aprova MP que libera quase R$ 2 bilhões para compra de vacina de Oxford

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Com informações Notícias ao minuto
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Senado aprovou Medida Provisória (MP) que libera recursos para produção e aquisição da vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A MP, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro em agosto, destina R$ 1,995 bilhão para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que firmou uma parceria para o desenvolvimento.

A aprovação ocorreu em meio a críticas. Senadores criticaram o governo do presidente Jair Bolsonaro em função de a medida não destinar recursos para produção de outras vacinas, como a desenvolvida pelo Instituto Butantan e pelo laboratório chinês Sinovac. Além disso, parlamentares reagiram negativamente à possibilidade de a vacinação no Brasil começar em março, depois de outros países, conforme sinalizou o Ministério da Saúde.

Até quarta-feira, 2, o governo pagou 65% do valor autorizado pela MP para a vacina de Oxford. Para executar os R$ 691 milhões restantes, a MP dependia de aprovação do Congresso até esta quinta-feira, 3, se não perderia a validade. O valor é aberto por meio de um recurso extraordinário no Orçamento, que fica fora do teto de gastos. O texto passou pela Câmara e agora será promulgado.

Com isso, outros laboratórios, como o Instituto Butantã, de São Paulo, ficaram sem repasses da União para a produção de um imunizante capaz de prevenir a população contra o novo coronavírus. O desenvolvimento da vacina se tornou o centro de um embate entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), antecipando um cenário de disputa eleitoral em 2022.

“É difícil receber uma Medida Provisória de 6 de agosto que vence hoje e que não podemos fazer nada. Não temos condições de rejeitar. Poderíamos até, mas seríamos irresponsáveis”, afirmou o senador Izalci Lucas (PSDB-DF), criticando o conteúdo da MP. “O certo seria nós não votarmos essa matéria, mas seria imperdoável porque estaríamos negando o sim a um claro popular”, comentou o senador Esperidião Amin (PP-SC).

Na quarta-feira, 2, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, chamou de “pífias” as propostas apresentadas por desenvolvedoras de vacinas ao Brasil, mas sugeriu que pode comprar o modelo da Pfizer por meio do consórcio Covax Facility. A farmacêutica ainda negocia a entrada na iniciativa internacional liderada pela Organização Mundial da Saúde. O Brasil espera comprar imunizante para 10% da população pela Covax.

O relator da MP no Senado, Carlos Viana (PSD-MG), argumentou que tecnicamente não haveria como alterar a MP e destinar parte desses recursos para outros laboratórios. “Não é uma questão política ou posicionamento contrário contra esse ou aquele governador”, afirmou o senador, que também é vice-líder do governo na Casa.

Viana citou que o Congresso ainda deve aprovar uma MP que liberou aproximadamente R$ 2,5 bilhões para o Brasil aderir ao Covax Facility, consórcio global de governos e fabricantes para impulsionar o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19. “O que estamos votando hoje é um primeiro passo de um processo que tem começo, meio e fim.”

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.