Rio Branco, Acre, 5 de março de 2021

Após acusação de Bolsonaro, Maia pauta MP do auxílio emergencial

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Após Jair Bolsonaro (sem partido) acusar o presidente da Câmara de não votar a 13º parcela do Bolsa Família, Rodrigo Maia (DEM-RJ) reagiu.

Maia chamou o presidente de “mentiroso” e pautou para esta sexta-feira (18) a medida provisória que prorrogou o Auxílio Emergencial até dezembro, incluindo nela o pagamento do 13º do Bolsa Família em 2020.

“Já que o governo quer o 13º do Bolsa Família, vão poder defender a medida na MP do auxílio”, disse o presidente da Câmara.

Agora, a articulação política do governo trabalha para reverter o cenário e convencer Maia a tirar o item da pauta.

Ao blog, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), disse que, como o relatório não está pronto e precisa estar disponível 24 horas antes, ele acredita que o item não será votado nesta sexta – mas trabalha junto ao Planalto para que Maia tire da pauta de vez, temendo que a MP seja discutida na segunda-feira (21).

Na quinta, em live, Bolsonaro disse que Maia foi o responsável por travar a análise da MP que tratava do pagamento do 13º do Bolsa Família em 2020.

“O 13º do salário do Bolsa Família. Não teve esse ano porque o presidente da Câmara deixou caducar. Cobra do presidente da Câmara”, disse o presidente.

Para o governo, Maia está “retaliando” o presidente, após sua declaração, ao pautar a MP do auxílio. Como não há fonte de financiamento definida para o projeto, o governo quer retirar o tema da pauta e diz que não há acordo com partidos para votar a MP.

A pauta do MP do Auxílio Emergencial tem sido uma cobrança de partidos de oposição. As siglas querem ampliar o benefício, hoje de R$ 300. Antes, as parcelas eram de R$ 600 e os partidos de esquerda querem retomar esse valor.

A preocupação da equipe econômica é que a votação da MP abra brecha para uma eventual prorrogação do auxílio em 2021. E o governo terá de “colocar a cara” para dizer que não pode votar, trazendo desgaste político ao presidente Bolsonaro.

Sobre o relatório não estar disponível 24 horas antes da votação, Maia diz que ele é o presidente da Câmara e responsável pela articulação, e que conversa com os partidos que defendem e cobram a pauta.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.