Rio Branco, Acre, 28 de fevereiro de 2021

Associado denuncia suposta quadrilha de venda de corotes dentro da Fundhacre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A reportagem do jornal ContilNet, de Rio Branco, foi procurada nesta semana para uma denúncia contra uma suposta formação de quadrilha dentro do Hospital das Clínicas do Acre, envolvendo a venda de corotes usados para guardar um ácido que faz a limpeza dos equipamentos de hemodiálise.

A informação foi dada pelo presidente da Associação dos Pacientes Renais Crônicos e Transplantados do Acre (Apartac), Emerson da Silva Santos. De acordo com ele, os frascos cheios que são adquiridos por meio de licitação para o setor de nefrologia, depois de usados, são vendidos por enfermeiros, técnicos e zeladores, que não tiveram nomes divulgados.

Corote visto em posto de gasolina de Rio Branco/Foto: Cedida

A orientação é que após o uso, o vasilhame seja levado para uma empresa que trabalha com reciclagem específica do produto, já que sua reutilização não é orientada pelos fabricantes.

“É uma máfia. Acumulam lá e vendem para qualquer pessoa que tenha interesse. Já me disseram que até caminhão saiu de lá, durante a madrugada, com vários”, explicou.

Emerson disse ainda que os recipientes são vendidos a R$ 3 a unidade e são utilizados, inclusive, para estocar gasolina, como na foto enviada à nossa reportagem, que mostra um corote em um dos postos de gasolina de Rio Branco.

Já que, diariamente, pelo menos 600 corotes são utilizados, por conta da quantidade de transplantados e do tempo que dura cada sessão, o lucro adquirido ao final do mês chegaria em torno de R$ 54 mil.

Santos explicou que em todo o Brasil os descartáveis são repassados para a associação dos pacientes renais, mas não é o que acontece no Acre, já que todos ficam sob a responsabilidade do hospital.

“É uma regra nacional, que aqui não é obedecida. Já apresentamos uma empresa que faz o processo de reciclagem do produto, mas nunca nos repassaram e nem ligaram para o que oferecemos, porque, certamente, querem lucrar”, salientou.

Ao final da entrevista, quando questionado sobre o possível destino do valor arrecadado, Emerson respondeu: “Devem dividir entre eles”.

Fonte: Contilnet.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.