Rio Branco, Acre, 1 de março de 2021

Estudo descobre 15 espécies de fungos desconhecidos no Acre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), tem apoiado a realização de pesquisas científicas nas unidades de conservação. Na Área de Proteção Ambiental (APA) Lago do Amapá, desde novembro de 2017, estudantes do Laboratório de Botânica e Ecologia Vegetal da Universidade Federal do Acre (Ufac) realizam pesquisas sobre espécies de plantas e de macrofungos. O estudo registrou 192 cogumelos e resultou na produção de uma lista com 101 espécies, sendo 15 delas inéditas para o Acre.

A informação foi publicada no livro Biodiversidade e Biotecnologia no Brasil – volume 1 (capítulo 9), lançado pela Editora Stricto Sensu (https://sseditora.com.br/ebooks/biodiversidade-e-biotecnologia-no-brasil-1/) no último mês de novembro, pela graduanda de Ciências Biológicas, Chirley Gonçalves, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade e Biotecnologia (Bionorte), Márcia de Araújo Teixeira, e pelo professor Marcos Silveira.

Phallus Indusiatus é uma das novas espécies de fungos catalogadas na pesquisa Foto: cedida

Com o levantamento das espécies de plantas e macrofungos que ocorrem na área, a pesquisa pretende subsidiar as visitas autoguiadas à trilha do lago Amapá. Espécies de árvores serão sinalizadas ao longo da trilha e um guia ilustrado com imagens das espécies possibilitará aos usuários da unidade de conservação, o desfrute de uma experiência interativa com a natureza.

Segundo Chirley Gonçalves, as pesquisas de campo envolvem a coleta de amostras de plantas com flores e/ou frutos e de fungos férteis, conhecidos como cogumelos. Essas amostras são prensadas, secadas em estufa de ventilação lateral e montadas com cola quente em cartolinas (30 cm x 45 cm), acompanhadas de uma etiqueta com informações sobre a identidade da planta, localização geográfica, descrição do hábito da planta (árvore, arbusto, erva, cipó, trepadeira, epífitas e parasitas), data da coleta, nome do coletor e número da coleta.

Akanthomyces Tuberculata é mais uma das novas espécies. Foto: cedida

“A identificação das espécies é realizada através da comparação das amostras coletadas com amostras depositadas em coleções locais e em coleções online, conta com a colaboração de especialistas e de usuários de aplicativos sobre biodiversidade e com a confirmação da literatura”, explicou Chirley.

Essa lista de espécies de macrofungos da APA é a primeira a ser produzida para uma unidade de conservação do estado. “Ela representa mais um passo rumo à melhoria do conhecimento sobre a riqueza de espécies encontradas no Acre. E é a base para estudos posteriores sobre o potencial alimentar e biotecnológico das espécies”, afirmou a doutoranda Márcia Teixeira.

Para a gestora da APA Lago do Amapá, Mirna Caniso, a existência da lista de espécies de cogumelos, reforça a relevância de ações de conservação e manejo. “A partir disso, é possível planejar o cultivo de cogumelos como alternativas produtivas e de geração de renda aos moradores da região”.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.