Rio Branco, Acre, 6 de março de 2021

Nova mutação do coronavírus já pode estar no Acre e explicar explosão de casos da doença

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A nova variante do coronavírus que está causando pânico na Europa e que provocou novo lockdown em Londres pode já estar circulando no Acre e em toda a Amazônia. Essa mutação do vírus da COVID 19 é considerada 70% mais infectante que as anteriores e tem provocado restrições a voos, contatos e viagens para a Inglaterra e o Reino Unido em vários países europeus, que já registraram a nova cepa em seus territórios. O governo inglês reconhece que o novo tipo de coronavírus está sem controle no país.

Maria do Socorro Martins, gerente da Vigilância Epidemiológica de Rio Branco confirmou que a capital já registra 16 casos de suspeita de reinfecção, alguns deles com potencial de terem sido causados pela nova mutação. Para confirmar ou descartar essa possibilidade, esses exames sobre provável reinfecção foram enviados para avaliação ao Instituto Evandro Chagas, em Belém, referência para COVID na Região Norte.

Especialistas acreditam que a nova variante poderia justificar a explosão de novos casos na capital que, no fim de semana, em 24 horas, registrou 500 novas infecções no estado.

Como medida preventiva, o governo proibiu festas e confraternizações na noite do Natal e Ano Novo, limitou a presença de público em bares, restaurantes e aglomerações em 30% da capacidade do local, limitada a cem pessoas e determinou que a posse de prefeitos e vereadores em todo o estado seja feita sem público presente.

No Reino Unido, o governo britânico diz que há motivos para acreditar que essa nova cepa do vírus seja bem mais transmissível que outras variantes. Segundo autoridades britânicas de saúde, a nova variante seria 70% mais transmissível.

Mutação

O estudo dessa nova forma do coronavírus ainda está em um estágio inicial, contém grandes incertezas e uma longa lista de perguntas sem resposta.

Os vírus sofrem mutações o tempo todo e é vital entender se essas mutações estão ou não mudando o comportamento do vírus e alterando a doença. Essa variante específica está causando preocupação por três motivos principais:

  • Ela está substituindo rapidamente outras versões do vírus
  • Ela possui mutações que afetam partes do vírus que são provavelmente importantes
  • Já se verificou em laboratório que algumas dessas mutações podem aumentar a capacidade do vírus de infectar células do corpo.

Tudo isso constrói um cenário preocupante, mas ainda não há certeza. Novas cepas podem se tornar mais comuns simplesmente por estarem no lugar certo na hora certa — como a cidade de Londres, que tinha poucas restrições até recentemente. A possibilidade da nova cepa já estar na Amazônia e, especialmente, no Acre é mais um alerta de atenção a justificar maior cuidado e a volta a normas de distanciamento que estão rapidamente sendo abandonadas.

O resultado é o crescimento do índice de infecção, o aumento de casos de internação e do uso de UTIs e grande preocupação com a possibilidade de pressão sobre o sistema de saúde.

A Tribuna

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.