Rio Branco, Acre, 5 de março de 2021

Nova praga assusta produtores rurais no Acre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma nova praga, conhecida como pulguinha-do-arroz, tem causado danos às pastagens em formação no Acre, em vários municípios. Casos semelhantes estão sendo registrados pelo país à fora. A praga é um besouro preto e brilhante que ataca plantas no início do desenvolvimento.

Apesar de ter tido o primeiro registro na década de 1996, ou seja, há 24 anos, o número de casos com o registro do besouro aumentou consideravelmente a partir do ano de 2014, chamando a atenção de instituições com a Embrapa, que pesquisa a praga.

Segundo pesquisador da Embrapa Acre, Rodrigo Santos, a pulguinha-do-arroz se alimenta de várias espécies vegetais como cana-de-açúcar, milho, trigo e arroz polífago. Na fase adulta, a praga remove o tecido da epiderme da planta, o que causa manchas esbranquiçadas nas folhas.

Os danos severos podem levar à morte da forrageira, enquanto as larvas do inseto ficam no solo alimentando-se das raízes. “O ataque acontece na fase crítica de desenvolvimento da planta, com considerável desgaste, e algumas não se recuperam. Além disso, algumas espécies da praga também são transmissoras de viroses”, explica o pesquisador em entrevista ao Jornal A Tribuna.

Os danos causados nas pastagens vão desde a morte de plantas até a perda total de semeaduras, como relata o produtor rural Rafael Mamud, morador do município de Bujari (AC). “A primeira vez que o ataque aconteceu, há quatro anos, eu perdi toda a semente que joguei. Não conhecia a praga e tive que semear novamente”, lembra o produtor.

Ainda de acordo com Mamud, a praga atingiu inclusive o capim da área de terra que tem. “Percebi quando o capim estava com cinco centímetros e começou a ficar amarelado e morreu. No segundo ataque, eu usei um inseticida recomendado pelo engenheiro-agrônomo, de efeito sistêmico, e o controle deu certo”, comenta.

MÉTODOS DE CONTROLE – Por ser uma praga nova, ainda não há estratégia de controle bem definida para a pulguinha-do-arroz, nem produtos registrados pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA). Entretanto, existem técnicas que podem ser usadas para diminuir o ataque à plantação.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Acre, Carlos Maurício de Andrade, o produtor deve monitorar o pasto que está sendo retomado, durante as primeiras semanas após o plantio. Deve observar se há sintomas de ataque para identificação da praga.

“O que temos recomendado aos pecuaristas é uma forma preventiva de controle, para que escolham sementes tratadas com inseticidas registrados para pastagens para tentar minimizar o problema do ataque”, afirma.

Andrade também orienta que o produtor rural deve consultar um engenheiro-agrônomo, caso seja detectado alta incidência de ataque dessa praga. O profissional vai recomendar um inseticida aprovado para aplicação nas pastagens, após uma verificação do nível da incidência na área.

  • João Renato Jácome, do Notícias da Hora.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.