Rio Branco, Acre, 24 de fevereiro de 2021

Ações do Twitter despencam após suspensão de conta de Donald Trump

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

As ações do Twitter listadas na Alemanha chegaram a despencar 8% nesta segunda-feira (11), no primeiro pregão depois que a rede social suspendeu permanentemente a conta do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na noite de sexta-feira (8).

A empresa do Vale do Silício justificou a suspensão da conta de Trump, que tinha mais de 88 milhões de seguidores, em razão do risco de novos episódios de violência, como o ataque ao Capitólio dos EUA na quarta-feira (6).

Na manhã de hoje (11), as ações da empresa listadas nos EUA caíam 6,8% em negociações antes da abertura do mercado, escreve a Reuters.

A medida tomada pelo Twitter é um divisor de águas para as plataformas de tecnologia. A mudança de postura da rede social, poucos dias antes de Trump deixar o cargo, foi seguida também pelo Facebook. O fundador e CEO da rede, Mark Zuckerberg, disse que as postagens mais recentes de Trump mostraram que ele pretendia usar seu tempo restante no cargo para minar um ambiente pacífico e uma transição legal de poder.

​Esta foi a primeira vez que o Twitter suspendeu a conta de um chefe de Estado. Para os resultados financeiros do Twitter, a empresa explica que a decisão deve ter um impacto negativo moderado. “Esperamos um ligeiro declínio do número de usuários, embora a erosão do engajamento seja uma questão maior”, escreveram analistas da Berstein, citados pela matéria.

“A moderação adicional pode ser bem-vinda, mas não é barata e pode beneficiar o Facebook, que já emprega um exército de moderadores (cerca de seis vezes) maior do que a força de trabalho do Twitter”, disseram analistas de Berstein.

Vale lembrar que, após a proibição da conta oficial de Donald Trump, o presidente norte-americano enviou, na sexta-feira (8), um tuíte na conta POTUS, que pertence ao gabinete presidencial e tem cerca de 33 milhões de seguidores.

“Como venho dizendo há muito tempo, o Twitter foi cada vez mais longe ao proibir a liberdade de expressão e, esta noite, os funcionários do Twitter coordenaram com os democratas e a esquerda radical para remover minha conta de sua plataforma, para me silenciar”, dizia a postagem, que já foi removida.

Policial imobiliza manifestante favorável a Donald Trump na frente da sede do Congresso dos EUA, Washington, 6 de janeiro de 2021
Policial imobiliza manifestante favorável a Donald Trump na frente da sede do Congresso dos EUA, Washington, 6 de janeiro de 2021
sputniknews

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.