Rio Branco, Acre, 5 de março de 2021

Coluna SER

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Coluna SER; por: Simone Cordeiro.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Quando recebi o gentil convite de integrar o time de colunistas do Juruá em Tempo, pensei nas contribuições que eu poderia dar aos leitores do informativo considerando as minhas condições enquanto mãe, esposa, filha, professora, cristã e cidadã. O conjunto dessas condições caracteriza o que sou e por isso, escolhi denominar esta coluna de “Ser”, uma vez que não serei capaz, como todo autor, de distanciar a minha escrita das ideologias que preservo. No entanto, julgo ser conveniente justificar a escolha do nome para que o leitor possa compreender melhor a proposta dessa coluna.

A gramática normativa classifica “ser” como um verbo de ligação, assim como “estar”; mas o que distingue esses dois verbos de ligação é sua representatividade quanto ao estado: o primeiro é permanente, enquanto o segundo é temporário.

Mas não foi essa característica verbal que motivou a minha escolha; pois se assim fosse, eu estaria fadada a considerar todas as coisas como imutáveis e permanentes. Esse pensamento, certamente, iria em desencontro de tudo o que eu acredito e defendo. Enquanto organismos vivos, os seres, as línguas, as culturas, as identidades estão, naturalmente, sujeitos às mudanças.

No entanto, convido o leitor para refletir sobre outra característica do verbo “ser”: a irregularidade. O verbo é considerado irregular quando há uma mudança quanto ao radical e desinência; ou seja, não possui uma estrutura fixa, tal como ocorre com os verbos classificados como regulares. Para melhor compreensão sobre esse argumento, exemplifico com a conjugação do tempo presente, modo indicativo, dos verbos cantar e ser: o primeiro regular, o segundo irregular. 

Cantar – presente do indicativo Ser – presente do indicativo
Eu canto

Tu cantas

Ele/Ela canta

Nós cantamos

Vós cantais

Eles/Elas cantam

Eu sou

Tu és

Ele/Ela é

Nós somos

Vós sois

Eles/Elas são

 

Pelo quadro acima, compreendemos melhor os conceitos de regularidade e irregularidade verbal. Na verdade, foi o conjunto dessas duas características que motivaram a escolha do nome “Ser”; ou seja, ao mesmo tempo que é irregular, ainda é permanente. Em outras palavras, as atribuições familiares, profissionais e sociais exigem que nos adequemos aos meios, mas não nos distanciam daquilo que somos verdadeiramente.

A transitoriedade da vida nos permite estarmos ricos, pobres; sãos, doentes; alegres, tristes; empregados, desempregados etc., mas não nos retira a condição de seres humanos. A característica de ser (ter identidade, característica ou propriedade intrínseca) nos faz refletir sobre as nossas responsabilidades, as escolhas que fazemos, e do quanto desejamos contribuir para a melhoria das coisas que estão a nossa volta.

Espero de alguma forma “Ser”, por meio desta coluna, fonte de inspiração, reflexão, motivação, questionamento, instigação, dúvida, certeza ou até mesmo incerteza para o leitor atento; pois enquanto formos capazes de expressarmos reações diversas a partir do que lemos, ouvimos ou vemos, existimos e resistimos… e isso basta.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.