Rio Branco, Acre, 4 de março de 2021

Consórcio de jornalistas nomeia Bolsonaro ‘personalidade do ano’ da corrupção

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Com informações da CNN.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi nomeado “personalidade do ano” nos quesitos crime organizado e corrupção pelo Crime and Corruption Reporting Project (OCCRP), consórcio internacional de jornalistas investigativos.

O órgão, que nos últimos anos ofereceu a “premiação” a líderes como o venezuelano Nicolás Maduro, o filipino Rodrigo Duterte e o russo Vladmir Putin, disse que o presidente brasileiro “se cercou de figuras corruptas, usou propaganda para promover sua agenda populista, minou o sistema de justiça e travou uma guerra destrutiva contra a Amazônia”.

De acordo com o OCCRP, “Bolsonaro venceu por pouco outros dois líderes populistas, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o presidente turco, Recep Erdogan”.

À CNN, o jornalista investigativo Drew Sullivan, cofundador e editor do OCCRP e um dos nove juízes do prêmio, explicou o peso das políticas de Bolsonaro para a Amazônia na decisão.

“Apesar de muitos juízes discordarem, houve uma grande divisão entre Trump, Erdogan e Bolsonaro pela maioria dos votos. Foi só no fim que Bolsonaro venceu. E isso foi mais provavelmente por causa da Amazônia.”

Segundo a entidade, Bolsonaro foi escolhido “por causa de sua hipocrisia — ele assumiu o poder com a promessa de lutar contra a corrupção, mas não apenas se cercou de pessoas corruptas, como também acusou injustamente outros de corrupção”.

Para Sullivan, “a família de Bolsonaro e seu círculo íntimo parecem estar envolvidos em uma conspiração criminosa em andamento e têm sido regularmente acusados de roubar do povo”.

O jornalista afirma ainda que, apesar de o presidente brasileiro ter sido eleito com uma plataforma anticorrupção, Bolsonaro “não estava limpo antes de assumir e não tem estado limpo desde então. É bastante cínico que ele alegue ser uma pessoa anticorrupção sendo que ele é bastante corrupto”.

O júri é composto por jornalistas de todo o mundo, ativistas e um acadêmico, que recebem sugestões de nomes e vão eliminado alguns candidatos até a elaboração final da lista.

“A lista é reduzida por meio de votação e os jurados avaliam os nomes através de reuniões por telefone e em discussões seguras por escrito. Depois, o grupo se reúne para elaborar a declaração. É um verdadeiro esforço colaborativo”, explicou à CNN Louise Shelley, diretora do Transnational Crime and Corruption Center (TraCCC) na Universidade George Mason e uma das juradas.

“Sentamos e olhamos cuidadosamente todos os casos e debatemos quem realmente merece, quem fez diferença este ano e se é importante para as pessoas do mundo que essa pessoa seja corrupta ou esteja promovendo corrupção de alguma forma”, complementa Sullivan.

O OCCRP é um grupo internacional de repórteres investigativos que fornece apoio técnico para histórias investigativas para repórteres em cerca de 50 países.

Procurado pela CNN, o Palácio do Planato ainda não se manifestou sobre o assunto. Na última live do ano transmitida em suas redes sociais nesta quinta-feira (31), porém, o presidente Jair Bolsonaro criticou a premiação.

“Estamos há dois anos sem nada de corrupção. A Polícia Federal é independente. Ninguém interfere na PF. Me acusaram de interferência, nada comprovaram até hoje”, afirmou Bolsonaro.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.