Rio Branco, Acre, 26 de fevereiro de 2021

Especial: Atriz e diretora Fernanda Nizzato visita povo Yawanawá e conta sua experiência

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Desde o ano 2000, o povo Yawanawá vem gradualmente abrindo suas aldeias para receber visitantes vindos de diferentes localidades, com interesse em conhecer de perto a cultura do povo Yawanawá. Parte desse interesse envolve o conhecimento de algumas práticas espirituais, cujo objetivo é a promoção de uma maior conexão entre o indivíduo e a natureza para o melhor entendimento sobre si e sobre o universo.

Recentemente, a atriz, diretora cinematográfica e modelo, Fernanda Nizzato; em companhia de seu namorado, o empresário Pedro Paulo, ex-piloto de Fórmula 1, visitaram a Aldeia Nova Esperança. Pedro Paulo administra uma fazenda especializada em produtos orgânicos. Eles foram recebidos pelo cacique e líder espiritual Biraci Brasil e por sua esposa Putani, permanecendo por cinco dias na aldeia.

Apesar da suspensão das visitações na terra indígena por causa da pandemia da Covid-19, o casal foi recebido por já terem uma ligação com os Yawanawá. Mesmo assim, o casal precisou cumprir com todas as medidas de segurança durante a visita.

Ao site O Juruá em Tempo, Fernanda concedeu entrevista e fotos pessoais de sua visita aos Yawanawá, momento em que nos relatou um pouco de sua experiência na comunidade indígena.

JT: Como foi sua recepção na aldeia Nova Esperança pelos Yawanawá?

Fernanda: A recepção foi maravilhosa, imaginava que seria especial; mas, não imaginava que seria tanto. Eles nos acolheram como se fôssemos da família, e logo no primeiro dia fomos recebidos com uma linda cerimônia de Ano Novo. Também comemorei meu aniversário no dia 04/01 e fui abençoada com uma linda festa. Foi a primeira vez em uma aldeia, e com certeza pretendo voltar.

JT – Com qual ou quais lideranças espirituais você teve contato e realizou trabalhos?

Fernanda – Fui recebida pelo Cacique Bira, a Pajé Putani e sua família. Eu não conhecia os Yawanawá. Foi muito especial meu chamado para ir à tribo. Duas semanas antes da viagem, em uma das minhas meditações diárias, fui presenteada com uma visão em que uma índia de branco me fazia um trabalho espiritual e que estávamos em uma tribo. Eu compartilhei a visão com meu namorado Pedro que, por acaso, já tinha ido à tribo no ano de 2015. Então, ele entrou em contato com o Cacique e tudo aconteceu. Foi muito especial, como uma premonição; porque assim que cheguei na cerimônia recebi um trabalho da Putani.

JT – Como foi a experiência desse convívio com os Yawanawá?

Fernanda – Nunca vou esquecer tudo que vivi e aprendi com a família Yawanawá. Senti muito amor naquelas pessoas; um amor puro, longe de interesses e julgamentos. Achei muito bonito e especial a forma como o Cacique e a Pajé tratam sua família: com muito respeito, carinho e amor. Todos colaboram uns com os outros, muito lindo de ver como honram seus ancestrais e sua tradição. Fiquei encantada e me emocionava todas as vezes em que os ouvia cantar e tocar. As músicas são lindas e donas de uma energia única, forte. Dancei muito, e ainda os quero ver em um estúdio gravando essas canções, que têm que ser compartilhadas com o mundo. Estive em momentos íntimos com a família e foram muito acolhedores, ouvi muitas histórias e aprendi muito sobre a tradição, as medicinas. Aprendi que a abundância tem relação com a simplicidade; e o nosso conceito de acúmulo material tem relação com a escassez. Essa simplicidade abundante traz uma paz e tranquilidade que deixa o amor puro emergir.

JT – Você sente que tenha aprendido algo de valor, algo que tenha mudado em você a partir dessa experiência?

Fernanda – Sim, com certeza. Que as coisas mais importantes e belas da vida estão na simplicidade. Que devemos honrar cada vez mais nossas famílias e nossa história que é muito rica e sábia. Que devemos nos integrar com a natureza, fazer as pazes com a mãe terra, onde está toda a abundância do nosso mundo.

JT – Na sua opinião o que os Yawanawá têm a oferecer que pode ser de interesse para as pessoas?

Fernanda – A espiritualidade, a cura com as plantas medicinais, o plantio e preservação da natureza, as músicas e hábitos saudáveis de vida.

JT – Você recomendaria a experiência para outras pessoas? Para quais pessoas e em que circunstâncias você acredita que essa experiência possa ser interessante?

Fernanda – Recomendo muito, mas tem que estar aberto para um novo despertar da consciência.

JT – Normalmente as pessoas descrevem as dificuldades para chegar até a aldeia. Na sua opinião, há algo no trajeto todo – de Cruzeiro do Sul até a aldeia que poderia ou deveria ser feito para melhorar a jornada dos visitantes?

Fernanda – Realmente não é fácil chegar, é uma viagem longa e cansativa. Principalmente o trajeto com a canoa; foram quase sete horas de canoa. Seria incrível se fosse possível melhorar essa locomoção, e também protetores de ouvido para as pessoas que dirigem as canoas, pois o barulho é intenso e acaba comprometendo a audição de quem trafega.

JT – Qual sua impressão sobre a cidade de Cruzeiro do Sul? O que achou dos serviços oferecidos na cidade: transporte, rede hoteleira, restaurantes e lanchonetes etc.? Sentiu falta de algum serviço especificamente? O que na sua opinião poderia ser melhorado na cidade para os visitantes?

Fernanda – A cidade é uma graça. Visitei a Catedral, fiquei hospedada no Hotel Swamy e fui ao Salão ID, que é muito bom e recomendo. As pessoas são super-receptivas. A única coisa que senti falta foi de restaurante. Há noite não achamos nenhum lugar para comer.

JT – Para encerrarmos essa entrevista, quais palavras você deixa para as pessoas que têm vontade de conhecer de perto o povo Yawanawá?

Fernanda – Estejam abertas à tradição e cultura deles; se puderem, vivenciem as cerimônias, é uma experiência única.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.