Rio Branco, Acre, 8 de março de 2021

Associação Comercial pede que decreto seja acompanhado de medidas de suporte ao setor

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O presidente da Associação Comercial de Cruzeiro do Sul, Luís Cunha, solicitou a presença da imprensa na sede da ASCOM para falar em nome da classe empresarial. O objetivo era dar o ponto de vista dos empresários sobre o decreto do governo do estado que restringe parte do funcionamento de comércio e serviços. O decreto do governo se dá em resposta ao aumento do número de mortes por Covid-19 e o risco iminente de falta de leitos nas UTIs e enfermarias do Hospital de Campanha.

O presidente da ASCOM afirmou que a classe empresarial é solidária às medidas, mas levantou questionamentos sobre a efetividade no cumprimento do decreto. Cunha questionou se haverá fiscalização para garantir que balneários e agências bancárias cumpram as medidas preconizadas pelo decreto, já que são locais onde quase não há cumprimento das regras de distanciamentos social. “Anteriormente, vimos que não houve fiscalização nesses locais e continuou havendo aglomeração”, afirmou.

O outro questionamento é com relação ao impacto econômico da medida. Sabendo que comércio e serviços devem ter queda no faturamento; e não haverá auxilio emergencial. O presidente Luís Cunha solicita que estado e municípios possam dar sua contribuição ao setor, ampliando os prazos de faturamento de dívidas junto ao fisco, por exemplo.

“As empresas já estão combalidas, com dificuldade de manter compromissos e empregos de seus colaboradores; por isso, a gente até pede que junto com o decreto, venham também medidas de auxílio no que cabe ao estado e municípios. Um exemplo é o Refiz (programa de refinanciamento de dívidas junto à Receita), cujos débitos foram incluídos somente até 20 de junho. Pedimos que esse prazo se estenda para que os empresários possam parcelar o ICMS. Para que (os municípios) possam prorrogar a taxa de bombeiro, a emissão do alvará. Junto com o decreto precisam vir medidas de suporte ao comércio daqui”, concluiu o representante da categoria empresarial de Cruzeiro do Sul.

 

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.