Rio Branco, Acre, 21 de abril de 2021

Com quarta queda, Vasco bate recorde de rebaixamentos de clubes do G-12; veja ranking

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O Vasco foi rebaixado para a Série B pela quarta vez na sua história. Nesta quinta-feira, mesmo com vitória por 3 a 2 sobre o Goiás, o time de São Januário teve a queda matematicamente confirmada e bateu um triste recorde.

Ao repetir a marca negativa de 2008, 2013 e 2015, o Vasco se tornou a equipe com mais rebaixamentos para a Segunda Divisão dentro do G-12 – grupo que reúne os quatro clubes principais de São Paulo (Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo) e do Rio (Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco), além dos dois de Porto Alegre (Grêmio e Internacional) e Belo Horizonte (Atlético-MG e Cruzeiro).

Entre todos os clubes do país, apenas seis têm mais rebaixamentos do que o Vasco (veja abaixo a lista). O recorde de quedas para a Série B pertence a América-MG, Coritiba, Goiás e Vitória, com seis.

Ranking de rebaixamentos para a Série B

Ranking Time Número de rebaixamentos Anos em que foi rebaixado
América-MG 6 1993, 1998, 2001, 2011, 2016 e 2018
Vitória 6 1982*, 1991, 2004, 2010, 2014 e 2018
Coritiba 6 1989, 1993, 2005, 2009, 2017 e 2020
Goiás 6 1982*, 1993, 1998, 2010, 2015 e 2020
Santa Cruz 5 1988, 1993, 2001, 2006 e 2016
Sport Recife 5 1989, 2001, 2009, 2012 e 2018
Avaí 4 2011, 2015, 2017 e 2019
Criciúma 4 1988, 1997, 2004 e 2014
Fortaleza 4 1983*, 1993, 2003 e 2006
Vasco 4 2008, 2013, 2015 e 2020
11º América-RN 3 1982*, 1998 e 2007
Athletico-PR 3 1989, 1993 e 2011
Bahia 3 1997, 2003 e 2014
CSA 3 1982*, 1983* e 2019
Figueirense 3 2008, 2012 e 2016
Guarani 3 1989, 2004 e 2010
Joinville 3 1982*, 1983* e 2015
Náutico 3 1994, 2009 e 2013
Paraná 3 1999*, 2007 e 2018
Paysandu 3 1983*, 1995 e 2005
Ponte Preta 3 2006, 2013 e 2017
Portuguesa 3 2002, 2008 e 2013
Botafogo 3 2002, 2014 e 2020
24º Atlético-GO 2 2012 e 2017
Botafogo-SP 2 1999* e 2001
Bragantino 2 1996* e 1998
Ceará 2 1993 e 2011
Desportiva 2 1982* e 1993
Ferroviário-CE 2 1982* e 1983*
Fluminense 2 1996* e 1997
Gama 2 1999* e 2002
Grêmio 2 1991 e 2004
Juventude 2 1999* e 2007
Mixto 2 1982* e 1983*
Palmeiras 2 2002 e 2012
União São João 2 1995 e 1997
37º América-RJ 1 1988
Atlético-MG 1 2005
Bangu 1 1988
Brasília 1 1983*
Brasiliense 1 2005
Chapecoense 1 2019
Corinthians 1 2007
Cruzeiro 1 2019
Galícia 1 1983*
Grêmio Prudente 1 2010
Internacional 1 2016
Internacional-SP 1 1990
Ipatinga 1 2008
Itabaiana 1 1982*
Juventus-SP 1 1983*
Moto Club 1 1983*
Nacional-AM 1 1982*
Remo 1 1994
Rio Branco-ES 1 1983*
River-PI 1 1982*
São Caetano 1 2006
São José-SP 1 1990
Santo André 1 2009
Taguatinga 1 1982*
Treze 1 1983*

Os anos de 1982, 1983, 1996 e 1999 levam asteriscos na tabela pelos seguintes motivos.

  • Nos campeonatos de 1982 e 1983, os times eliminados na primeira fase ou na repescagem eram rebaixados para a Taça de Prata na mesma temporada e jogavam as fases finais da Série B.
  • Em 1996, Fluminense e Bragantino foram rebaixados no campo. A CBF, porém, por conta das denúncias de um esquema de suborno envolvendo o então presidente da Comissão Nacional de Arbitragem de Futebol, Ivens Mendes, anulou a queda da dupla.
  • Em 1999, Botafogo-SP, Gama, Juventude e Paraná foram rebaixados no campo. Na época, o descenso era definido por uma média. Botafogo e Internacional ganharam três e dois pontos, respectivamente, que originalmente eram do São Paulo. A decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva ocorreu pela escalação irregular, por parte do time paulista, de Sandro Hiroshi. Com a nova pontuação, a média foi afetada. O Gama, então, entrou na justiça comum e anulou o rebaixamento, na confusão que deu origem a Copa João Havelange em 2000.

Dentro do G-12, o Fluminense é o único time que foi rebaixado da Série B para a Série C, em 1998. O Tricolor, aliás, chegou a lamentar o rebaixamento para a Segunda Divisão em 2013. Mas escalações irregulares de jogadores mudaram a tabela de classificação após o fim da competição.

Ao término do campeonato, a Portuguesa foi denunciada pela Procuradoria ao STJD por ter escalado o jogador Héverton contra o Grêmio, na última rodada. O atleta foi punido com dois jogos de suspensão por ter sido expulso na partida contra o Bahia, em 24 de novembro, mas cumpriu apenas uma partida e não poderia atuar na rodada final. Como consequência, o clube foi punido com a perda de quatro pontos, caindo da 12ª para a 17ª colocação e sendo rebaixado.

O Flamengo, então, foi salvo pois, um dia antes, havia cometido erro semelhante: escalou de forma irregular o jogador André Santos contra o Cruzeiro na última rodada – o lateral-esquerdo deveria cumprir suspensão por ter sido expulso diante do Atlético-PR na final da Copa do Brasil. Ao perder quatro pontos, caiu da 11ª para a 16ª posição.

O Fluminense foi o beneficiário indireto dos erros de Portuguesa e Flamengo. Com a perda de pontos dos dois clubes, terminou a competição em 15º lugar e escapou da Série B.

G1

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.