Rio Branco, Acre, 27 de fevereiro de 2021

Moro é aconselhado a retomar planos para 2022

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Quando se tornou sócio-diretor da consultoria americana Alvarez & Marsal, que tem entre seus clientes empresas encalacradas na Lava Jato, Sergio Moro distanciou-se da disputa presidencial de 2022. Decorridos dois meses e meio, ele é aconselhado por amigos a retomar o projeto político. Embora não admita a candidatura diante dos refletores, Moro soa em privado como se não descartasse categoricamente a hipótese de concorrer ao Planalto.

Moro trocou o altar de Curitiba pelo viveiro de cobras de Brasília imaginando-se portador de um destino. Virou uma fatalidade. Num instante, ganharia poltrona no Supremo. Noutro momento, seria vice de Jair Bolsonaro. No final, foi condenado —ou condenou-se— à fritura perpétua. Fritaram-no —ou fritou-se— no Planalto e no Congresso. Agora, já bem passado, arde no óleo quente da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal.

Ironicamente, as togas anti-Lava Jato —ou pró-Lula— queimam Moro na sua própria gordura. Utilizam na carbonização as mensagens arrancadas por hackers do aplicativo de celular em que Moro e os procuradores de Curitiba exibiam o seu sentimento de invulnerabilidade. Na avaliação dos amigos, que começa a ser absorvida por Moro, a provável lavagem da ficha suja de Lula virou um processo de emporcalhamento da biografia do seu algoz.

Nesse ambiente, a candidatura presidencial de Moro seria uma espécie de imperativo de autodefesa. Moro revela-se incomodado com o que chama de “criminalização” da Lava Jato. E os amigos receiam que, fora do ringue eleitoral, o autor da sentença que proporcionou a Lula uma temporada na cadeia será moído durante a campanha. Candidatando-se, Moro reivindicaria a paternidade da causa anticorrupção, que ficou órfã.

De repente, bater em Moro ficou fácil como amassar uma carta que já saiu do baralho. Ministros do próprio Supremo observam o balé de elefantes em que se converteu a Segunda Turma, dando de barato que a anulação da sentença do tríplex será seguida de uma tentativa de rever o veredicto do sítio de Atibaia, com pedido de liminar para devolver a foto de Lula à urna eletrônica.
O risco que as togas supremas correm é o de devolver ao baralho de 2022 não uma, mas duas cartas: Lula e Moro. A julgar pelas pesquisas, o eventual retorno do ex-juiz ao jogo fazendo pose de vítima de um complô anti-Lava Jato teria potencial para, no mínimo, embaralhar a polarização tão desejada por Lula e Bolsonaro.

  • Por Josias de Souza, colunista do UOL.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.