Rio Branco, Acre, 21 de abril de 2021

Projeto que atende favelas do RJ está no Acre e já doou mais 3 mil marmitas para afetados pela cheia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Sensibilizados com a situação do Acre que enfrenta além da pandemia da Covid-19, surto de dengue e a cheia de rios que atinge milhares de pessoas, representantes do projeto Voz das Comunidades, que atende favelas no Rio de Janeiro, estão no Acre desde sábado (20). O grupo já conseguiu doações para entregar mais de 3 mil marmitas aos moradores atingidos pela cheia na capital e no interior.

Fundado por Renê Silva, o projeto tem várias iniciativas nas comunidades do Alemão, no Rio de Janeiro, e uma delas é o “Prato das Comunidades”, que foi criada no início da pandemia, em maio de 2020, para garantir alimentação às famílias em situação de vulnerabilidade.

A movimentação do grupo começou quando imagens de cidades acreanas inundadas ganharam força na internet. Dez cidades foram atingidas pela cheia dos rios no Acre e mais de 121 mil pessoas estão atingidas.

Ao ver a situação, o grupo resolveu levar o projeto para o extremo Norte do país e se juntou a tantas outras iniciativas. Artistas também reforçaram pedidos de ajuda para famílias atingidas pela cheia dos rios com a campanha “SOS Acre”.

“Ficamos sabendo o que estava acontecendo através das redes sociais, então começamos a ficar preocupados com tudo que estava sendo mostrado e decidimos trazer nosso projeto para o Acre. Quando começamos a falar sobre o projeto, percebemos que tinham muitas cozinhas e pessoas fazendo isso, então, o que a gente decidiu foi repassar doações do que a gente recebe para essas cozinhas. Desde sábado [20], a gente vem fazendo transferências para as pessoas que estão fazendo comidas e elas nos mandam as notas fiscais, fotos e já foi possível entregar mais de três mil quentinhas até agora aqui no Acre”, disse Renê.

Cheia dos rios afeta mais de 121 mil pessoas em todo Acre  — Foto: Juan Diaz/Arquivo pessoal

Visita às cidades atingidas

Além das doações, a equipe do projeto, em quatro pessoas, vai até a cidade de Sena Madureira, no interior do Acre, nesta quarta (24), para acompanhar de perto a situação e tentar mobilizar ainda mais doações. A cidade é uma das mais afetadas pela cheia do rio, que atinge mais de 27,6 mil moradores e desabriga mais de 290 famílias.

“Vamos passar o dia em Sena Madureira, já estamos em contato com algumas cozinhas que nós apoiamos, vamos visitar algumas das áreas alagadas na cidade. Na quinta [25], a gente deve estar em Feijó e depois em Tarauacá, que também estão atingidas pelas cheias.”

As mais de três mil marmitas doadas pelo grupo foram distribuídas em Rio Branco, Sena Madureira e Tarauacá. Ainda segundo Silva, o projeto também mobilizou a Cruz Vermelha que deve enviar ao Acre cerca de 50 toneladas de doações entre produtos de limpeza, higiene, máscaras, repelentes e EPIs.

“Nós que acionamos a Cruz Vermelha para vir para cá e eles estão chegando com 50 toneladas doações até sexta-feira [26]. E essas doações estão vindo em parceria também com o Tribunal de Justiça e com o Ministério Público do Acre que organizou toda a logística aqui no Acre para poder receber na base do Exército esse material todo e para poder repassar para as cidades atingidas”, informou Silva.

  • Por Iryá Rodrigues, G1 AC.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.