Rio Branco, Acre, 7 de março de 2021

Safra de soja de 2021 será 80,9% maior que 2020 no Acre, diz IBGE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Em janeiro, o IBGE estimou que a produção de soja no Acre em 2021 alcance 18,878 mil toneladas, com alta de 80,9% -ou 8,5 mil toneladas -em relação a 2020, quando o Estado colheu 10,4 mil toneladas.

O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado no dia 11 deste mês, aponta ainda que a área a ser colhida vai ser de quase 6 mil hectares, com alta de 82% frente à área colhida em 2020, o que representa mais 2,6 mil hectares incorporados à produção.

Outras informações sobre a economia agrária do Acre podem ser encontradas no Observatório do Fórum Empresarial de Inovação e Desenvolvimento do Acre pelo endereço http://observatoriodoacre.org.br.

“Na verdade vai mais que dobrar”, contrapõe o secretário de Produção e Agronegócio, Edvan Maciel. “Será 36 mil toneladas”, disse. “Em 2020, colhemos 15 mil toneladas”.

O plantio de soja está concentrado na região Leste do Acre, notadamente na região de Capixaba, onde canaviais estão sendo substituídos por grãos (soja e milho). A cana foi fortemente incentivada no âmbito da Usina Álcool Verde mas entrou em decadência com a drástica redução da produção no empreendimento que fabricava etanol.

A Embrapa fez estudo detectando 380 mil hectares propícios aos grãos, no Leste acreano, um conjunto de terras degradadas que aos poucos vem sendo reincorporado ao processo produtivo. Basicamente com milho e soja.

Neste momento, diz Maciel, o que está em expansão no Estado são realmente os grãos. “Praticamente dobraram de preço. O milho está em torno de R$90 e a soja, R$170 a saca de 60 quilos”, informou.

Já a produção de milho para 2021 foi estimada pelo IBGE em 100.311 toneladas, alta de 11,7% (10,5 mil toneladas) em relação a 2020. O aumento se dará em função, principalmente, da ampliação de 49,1% da área a ser colhida na segunda safra do produto, que deverá resultar num acréscimo de 40,9% na produção, segundo apurou o Fórum usando os dados do IBGE.

Em relação a outros grãos – como o arroz, por exemplo -a previsão inicial não é boa. Divulgado no dia 11 de fevereiro, o Levantametno da Safra de Grãos da Conab diz que, no Acre, mesmo com o aumento da demanda e do preço comercial do arroz, a tendência é de retração de 22,4% na área cultivada, ficando em torno de 3,8 mil hectares e produtividade média de 1.313 quilos no ano.

No entanto, se as previsões da Sepa se concretizarem e os demais setores agropecuários tiverem bom desempenho, o Acre terminará 2021 com R$2.589.374.664,00 de Valor Bruto da Produção (VPB), 11,7% a mais que 2020.

O VBP mostra a evolução do desempenho das lavouras e da pecuária ao longo do ano e corresponde ao faturamento bruto dentro do estabelecimento. Calculado com base na produção da safra agrícola e da pecuária e nos preços recebidos pelos produtores nas principais praças do país, dos 26 maiores produtos agropecuários do Brasil.

Cheia dos rios ameaça produção de leguminosas

O IBGE estimou em janeiro a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas para o Acre para 2021 em mais de 111,651 mil toneladas, com alta de 15% (14,5 mil toneladas) em relação a 2020 – ou 97,1 mil toneladas a mais.

O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado no dia 11 deste mês, aponta ainda que a área a ser colhida é de 45,9 mil hectares, com alta de 10% em relação ao ano anterior. Com isso, serão mais 4,1 mil hectares incorporados à produção.

Os dados esquecem dos efeitos danosos das cheias dos rios na produção agrícola.

Segundo o próprio Governo do Estado, a estimativa de prejuízo é de que seja 5% do valor bruto da produção em todo o Estado, o que representa um total de R$100 milhões só em danos.

Com informações do AC24horas.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.