Rio Branco, Acre, 22 de abril de 2021

2ª onda da Covid-19 no Acre: adultos jovens entre 20 e 49 anos passam mais tempo internados, diz médico

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A nova onda de Covid-19 no Acre traz um componente que preocupa: cresce o número de jovens internados com a doença nos leitos das Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Os dados são dos boletins divulgados diariamente pela Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre). Gabryl Borges, de 19 anos, e Joselito Cordeiro, de 39, estão entre as vítimas jovens da Covid-19.

Conforme esses dados, pessoas de 20 a 49 anos ficam mais tempo internadas com Covid porque demoram a procurar atendimento e, a maioria, já chega em estado grave nas unidades hospitalares.

As internações de pessoas de 30 a 39 anos representam 25% em Rio Branco. Do total de mortes, 175 pacientes tinham de 20 a 49 anos e 114 tinham essa faixa etária quando foram internadas.

O jovem Gabryl Borges, de 19 anos, foi uma das vítima da doença. Ele foi internado no início de março, passou 15 dias na UTI e morreu no domingo (21). O farmacêutico Joselito Cordeiro, de 39 anos, também perdeu a batalha para o novo coronavírus e morreu nessa terça-feira (23). Ele era servidor da Unimed Rio Branco, que divulgou nota lamentando a morte dele.

“Esses pacientes mais jovens tendem a fazer uma fase que chamamos de inflamatória mais intensa do que os idosos. Fazem quadros muito graves de insuficiência respiratória e evoluem com muita gravidade. Então, temos sim uma mudança no perfil de acometimento da população nessa segunda onda, com o acometimento de pacientes mais jovens”, explicou o coordenador do Instituto de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC), Osvaldo Leal.

O Into-AC é o maior hospital de campanha do Acre e está em funcionamento há quase um ano. Durante esse tempo, os leitos de internações foram ampliados três vezes. Antes, a idade média de internados era de 65 anos com doenças pré-existentes, mas agora a faixa etária é de 25 anos e de pessoas saudáveis.

Demora para buscar atendimento

Ainda segundo o coordenador do Into-AC, os jovens demoram mais a buscar atendimento porque têm o organismo mais resistentes que os idosos. Segundo o médio, essa resistência faz com que os sintomas demorem a aparecer e, consequentemente, a pessoa demora a buscar ajuda médica.

“São pacientes que demoram mais a procurar a unidade de saúde porque têm uma reserva funcional maior que o idoso, então, suportam algum desconforto respiratório e procuram as unidades de saúde com o quadro inflamatório bem mais adiantado. Por conta desse quadro, acabam ocupando por mais tempo a unidade hospitalar e também na UTI, são pacientes que passam mais tempo em tratamento”, destacou.

Segunda onda de Covid-19 no Acre leva jovens a ficarem mais tempo internados em tratamento contra a doença — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre

Luta contra o coronavírus

A vendedora Mislane Souza, de 27 anos, enfrenta a doença há dois dias. E, apenas nesses dois dias, a Covid-19 fez evoluir de 25 a 40% o comprometimento do pulmão dela. Devido à escassez no número de leitos, Mislane não foi internada e faz o tratamento em casa.

“Era para eu estar internada, mas não tem leito e faço o tratamento em casa. Tive que mudar a medicação duas vezes para me sentir melhor”, relatou.

Precisando de um leito, Mislane aconselha sobre o cumprimento das medidas sanitárias. “Vamos ficar em casa, se cuidar mais porque a pior coisa é chegar aqui passando mal, precisar se internar e não ter leito para você e voltar para casa”, lamentou.

Mislane Souza, de 27 anos, está em tratamento em casa porque não conseguiu um leito de enfermaria para ficar — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre

  • Por Ana Paula Xavier, Jornal do Acre 2ª Edição.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.