Rio Branco, Acre, 22 de abril de 2021

Acre tem a maior taxa de jovens vivendo na pobreza no Norte

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A Fundação Abrinq, criada em 1990, é uma organização sem fins lucrativos que tem como missão promover a defesa dos direitos e o exercício da cidadania de crianças e adolescentes, está lançando a edição 2021 do Cenário da Infância e Adolescência no Brasil. Anualmente, desde 2014, essa publicação é lançada com o objetivo de traçar um cenário sobre a situação da infância e adolescência no país.

De acordo com a instituição, todos os dados utilizados na publicação são de fontes públicas e ajudam a avaliar o cumprimento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, compromisso global do qual o Brasil é signatário para a promoção de desenvolvimento justo, inclusivo e sustentável até 2030.

A maior parte desses indicadores também está disponível no Observatório da Criança e do Adolescente, onde é possível comparar dados entre regiões, estados e municípios brasileiros, gerar planilhas e compartilhar as informações pesquisadas em redes sociais.

Proporcionalmente, a Região Norte é a que apresenta a maior concentração de crianças e adolescentes, com 41% da sua população tendo menos de 19 anos de idade.

Os dados de 2019 mostram que o Brasil tinha aproximadamente 60,3 milhões de pessoas vivendo com renda domiciliar mensal per capita de até meio salário-mínimo (R$ 499), sendo que 26,5 milhões dessas pessoas viviam com metade dessa renda (R$ 249,50).

A região Norte é a segunda região do Brasil a concentrar a maior proporção de pessoas vivendo com renda domiciliar mensal per capita de até ½ salário mínimo, com 47,6% de sua população. Proporção muito superior à média brasileira de 28,8%.

A publicação, infelizmente, coloca o Acre como o estado da Região Norte que lidera em número de famílias que vivem com renda domiciliar mensal per capita de até ½ salário mínimo.

Os Estados desta região que concentram as maiores proporções da população vivendo com renda domiciliar mensal per capita de até ½ salário-mínimo são o Acre (51,9%) e o Pará (50,9%), sendo Rondônia aquela que concentra a menor proporção de pessoas nesta classe de rendimentos (29%).

Pouco menos de duas em cada três (63,9%) crianças desta faixa etária reside em domicílios com renda mensal domiciliar per capita de até ½ salário-mínimo. Proporção superior aos 45,4% da média nacional.

O ac24horas procurou o governo do estado para um posicionamento sobre quais ações estão sendo desenvolvidas para diminuir o índice de pobreza no estado e aguarda retorno do poder público.

  • Por Leônidas Badaró, do AC24horas.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.