Rio Branco, Acre, 13 de maio de 2021

Bittar corta orçamento do IBGE em 85% e inviabiliza censo demográfico no país

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O relator do Orçamento de 2021, senador Márcio Bittar (MDB-AC), cortou R$ 1,76 bilhão dos recursos previstos para o Censo Demográfico de 2021. O corte representa cerca de 85% do recurso da ordem de 2 bilhões previsto para o censo deste ano e segundo o IBGE inviabiliza o censo.

A falta do censo demográfico deve impactar as políticas públicas, uma vez que estas dependem de dados mais precisos sobre a população como idade, renda e moradia. A vacinação universal pode ser prejudicada, uma vez que as prefeituras não irão dispor de dados precisos sobre a população a ser vacinada. Também pode impactar medidas como o auxílio emergencial que terão de ser efetivadas sem um panorama atualizado da demografia do país. Afeta praticamente todas as outras políticas públicas de saúde e educação. Sem dados precisos sobre o país, não há como por exemplo determinar a ampliação de oferta de vagas em escolas ou o envio de medicamentos para os postos.

Bittar estabeleceu um gasto total de apenas R$ 240 milhões. Os recursos cortados foram distribuídos para outras áreas. O relatório de Bittar, que pode ser alterado pelos parlamentares, foi apresentado na noite deste domingo.

Depois de meses de atrasos, o Orçamento de 2021 deve ser votado nesta semana. Bittar é pressionado para ampliar os gastos com Saúde por conta da pandemia. Até agora, estão previstos R$ 136 bilhões para o Ministério da Saúde, apenas R$ 2 bilhões a mais que o proposto pelo governo no ano passado.

A maior parte dos ajustes ‘para cima’ tem sido nas emendas parlamentares. O total destinado para emendas parlamentares subiu de R$ 16 bilhões em 2020 para R$ 19,1 bilhões neste ano. Emendas são obras ou serviços indicados por deputados ou senadores para serem executados geralmente em suas bases eleitorais.

As emendas individuais subiram R$ 9,4 bilhões para R$ 9,6 bilhões; os gastos indicados pelas bancadas estaduais saíram de R$ 5,9 bilhões para R$ 8,8 bilhões. E as emendas de comissão saíram de R$ 687 milhões para 671 milhões.

O que diz o IBGE

“O orçamento previsto para o Censo é de R$ 2 bilhões, conforme proposta encaminhada ao Congresso Nacional no dia 31 de agosto de 2020. O parecer final do Excelentíssimo Senhor Relator propõe a exclusão de R$1,7 bilhão do orçamento solicitado para o Censo, o que inviabilizaria a operação”, diz o instituto.
“O IBGE conta com o apoio da Comissão Mista de Orçamento na próxima votação para que esse cenário seja revertido”, completa a nota.

A instituição destaca que o país “necessita das informações geradas pelo Censo, que são essenciais para subsidiar políticas públicas em diversas áreas, especialmente em um contexto de pandemia, onde esses dados são estratégicos para o avanço da vacinação e para o planejamento de infraestrutura em saúde.”
Segundo o IBGE, “além de um modelo misto de coleta (presencial, telefone e on-line) e tecnologia de fronteira de supervisão e monitoramento, os profissionais envolvidos no Censo observarão, em todas as etapas da operação, rígidos protocolos de saúde e segurança. adotados pelo IBGE, seguindo recomendações do Ministério da Saúde e as melhoras práticas de prevenção e combate à Covid-19”.

Fonte: Economia – iG @ https://economia.ig.com.br/2021-03-22/ibge-perde-r–1-76-bilhao-no-orcamento–corte-inviabiliza-pesquisa–diz-orgao.html

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.