Rio Branco, Acre, 21 de abril de 2021

Distrito Sanitário Indígena do Alto Purus já vacinou mais de 2,4 mil contra Covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Com informações da Agência de Notícias do Acre.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A imunização dos povos indígenas na Amazônia é um verdadeiro desafio para os vacinadores. O Distrito Sanitário Especial Indígena Alto Rio Purus (Dsei-ARP) abrange sete municípios, sendo quatro do Acre (Assis Brasil, Manoel Urbano, Santa Rosa do Purus e Sena Madureira), dois do Amazonas (Boca do Acre e Pauini), além de Porto Velho, capital de Rondônia.

Imunização dos povos indígenas na Amazônia é um verdadeiro desafio para os vacinadores. Foto: Odair Leal/Secom.

No total, o Dsei-ARP conta com 12.127 indígenas, divididos em 146 aldeias, sendo que 2.472 já receberam a primeira dose da vacina e 928 a segunda.

Com uma logística desafiadora, os vacinadores passam de 15 a 30 dias nas aldeias, indo de casa em casa, pois, além da vacinação, também realizam atendimentos médicos, de enfermagem e odontológicos.

Vacinadores passam de 15 a 30 dias nas aldeias. Foto: Odair Leal/Secom.

A labuta dos vacinadores já começa por uma longa viagem de carro até o município de Manoel Urbano, de onde prosseguem por meio de barcos ou aviões de pequeno porte. Chegando às localidades, sobem barrancos e enfrentam água até a cintura, além de chuva e sol.

Armazenamento das doses

Doses da vacina são transportadas em caixas térmicas, com termômetro digital para monitorar a temperatura.  Foto: Odair Leal/Secom

De acordo com a responsável técnica do Programa de Imunização do Distrito, Cleide Matos, “as doses são transportadas em caixas térmicas, com termômetro digital para monitorar a temperatura dos imunobiológicos, com intuito de garantir a qualidade das doses”.

Dificuldades

Segundo Cleide, um dos maiores obstáculos hoje encontrado pelo departamento é referente à migração de indígenas entre municípios e até países vizinhos, principalmente o Peru.

Um dos maiores obstáculos hoje encontrado pelo departamento é referente à migração de indígenas entre municípios e até países vizinhos. Foto: Odair Leal/Secom

“Também há dificuldade de acesso em algumas aldeias, devido às especificidades do clima da região Norte, principalmente durante o inverno amazônico”.

Fake News

Outro percalço enfrentado pelos vacinadores é a disseminação de fake news sobre a eficácia e efeitos da vacina contra a Covid-19. Por isso, muitos indígenas se recusam a “pegar a vacina”, expressão popular das aldeias.

Grande percalço enfrentado pelos vacinadores é a disseminação de fake news sobre a eficácia e efeitos da vacina contra a Covid-19. Foto: Odair Leal/Secom

“Temos todo apoio do Conselho Distrital de Saúde Indígena (Condisi), que realiza visitas a aldeias onde há recusa por parte de indígenas. As equipes realizam palestras para conscientizá-los quanto à importância da vacinação”, explica Cleide.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.