Rio Branco, Acre, 23 de abril de 2021

Justiça de SP reconhece que Marisa Letícia desistiu do tríplex do Guarujá

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A  8ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou nesta quinta-feira (25) a restituição de parcelas pagas pela ex-primeira-dama Marisa Letícia em tríplex do então Edifício Navia (posteriormente Solaris), no Guarujá (SP). A decisão reconhece que Marisa desistiu do apartamento, o que desmonta tese da Força-Tarefa da Lava Jato sobre o tríplex.

“Não há prova nos autos de que, em algum momento, a autora tivesse recebido a posse do imóvel ou de que ele tivesse sido disponibilizado em seu favor”, disse a desembargadora Mônica de Carvalho, relatora do processo, em seu voto. Com isso, a OAS e a Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop) terão de restituir os pagamentos das parcelas feitas quando o edifício ainda se chamava Navia.

Em razão do atraso das obras do Navia e a falência da Bancoop, os proprietários de cotas do edifício poderiam escolher ou a restituição do valor pago ou uma unidade no Solaris. Marisa desistiu, conforme reconhece a Justiça de São Paulo.

“Se a construtora descumpre o prazo de entrega da obra, podemos dizer que a rescisão ocorreu por fato contra ela imponível, pelo que a autora [Marisa] tinha direito à devolução integral dos valores que pagou, devidamente atualizados e com imposição de atualização monetária, a qual representa meramente a recomposição do valor da moeda, e juros moratórios, que devem ser fixados na taxa integral”, completou.

Essa decisão, que reconhece que nunca houve usufruto do imóvel, contraria a tese da Operação Lava Jato, de que Lula seria dono do tríplex do Solaris e que o apartamento é fruto de propina.

Revista Fórum

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.