Rio Branco, Acre, 21 de abril de 2021

Mais de 130 caminhões seguem retidos em ponte ocupada por imigrantes há 15 dias e prejuízo é calculado em mais de R$ 600 mil

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Com a Ponte da Integração fechada por um grupo de imigrantes que tenta sair do Brasil, mais de 130 caminhões continuam retidos tanto do lado brasileiro como do lado peruano há 15 dias e o prejuízo é calculado já em mais de R$ 600 mil.

Eles estão impedidos de atravessar, porque a ponte que liga a cidade acreana de Assis Brasil ao Peru, está ocupada por imigrantes que tentam sair do país desde o último dia 14. A fronteira do Peru está fechada desde março para a entrada de estrangeiros por causa da pandemia do novo coronavírus. Mas caminhões com cargas podem entrar no país.

Pablo Cardoso, que é representante de um despachante aduaneiro e de uma distribuidora de combustível que fornece o produto para a Bolívia, disse que há mais de 100 caminhões no lado peruano carregados com combustível, alimentos e outros produtos para serem levados à Bolívia. Do lado brasileiro, há ainda pelo menos 30 caminhões que tentam sair do Acre.

“Desde que eles fecharam, não conseguimos passar de jeito nenhum, eles estão totalmente arredios. Eles sabem que a melhor pressão que estão fazendo é essa. O prejuízo diário do despachante é em torno de R$ 3 a R$ 4 mil e meu prejuízo como sócio da empresa de transporte, estamos tendo um prejuízo diário de R$ 60 mil. Calculando, por baixo, o prejuízo das empresas com caminhões parados ali chega a mais de R$ 600 mil”, disse.

Caminhoneiros tentam passar com cargas para o lado peruano — Foto: Raylanderson Frota/Arquivo pessoal

No último dia 24, os caminhoneiros que estão retidos por conta da ocupação da ponte protestaram na tentativa de conseguir seguir viagem com suas cargas.

O caminhoneiro Adriano Braga, que estava com uma carga de pescado avaliada em R$ 100 mil, disse ao G1 que conseguiu autorização por meio do Ministério da Agricultura e da Receita para retornar com a mercadoria para o frigorífico em Rondônia para não perder os peixes.

“A carga voltou dentro do prazo perecível ainda, mas teve que ser congelado o peixe e ainda e estamos arcando com o prejuízo de dois fretes, em torno de R$ 3 mil só para a transportadora. Fora isso, temos duas cargas de caminhão carregados de castanha lá parados desde o dia 14. Prejuízo muito grande para todos, é triste o momento que estamos vivendo aqui na fronteira”, afirmou Braga.

Imigrantes ocupam ponte da Integração há 15 dias — Foto: Raylanderson Frota

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.