Rio Branco, Acre, 23 de abril de 2021

Mulher que ficou em estado vegetativo no AC após alergia a medicamento ganha R$ 100 mil na Justiça

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A autônoma Maria do Socorro da Silva Rocha, de 55 anos, ganhou na Justiça R$ 100 mil de indenização por danos morais após ficar em estado vegetativo depois de uma cirurgia na perna feita em 2016 na Fundação Hospitalar do Acre (Fundhacre), em Rio Branco. Maria ficou sem os movimentos e os sentidos após tomar uma medicação a que era alérgica, durante a internação.

Ela chegou a ficar mais de um mês na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Fundhacre, mas o quadro não foi revertido. Foi aí que a família resolveu entrar na Justiça contra a Saúde estadual por acreditar que houve erro médico, já que a equipe tinha sido avisada que Maria era alérgica ao medicamento.

Em primeira instância, a Justiça condenou o Estado a pagar R$ 100 mil para Maria do Socorro e R$ 50 mil para as duas filhas dela. O Estado recorreu desse resultado e os membros da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Acre reduziram o valor da indenização da paciente para R$ 50 mil.

“Não concordei, mas avaliaram conforme casos de outras pessoas. Reconheceram que foi negligência, abaixaram o valor. Estamos aguardando para saber se vão recorrer porque é uma coisa que leva mais tempo, e precisamos finalizar para conseguir as fraldas, que ainda compramos”, lamentou Joseane Alves, uma das filhas da autônoma.

Atualmente, Maria está em casa e é cuidada pelas filhas, que se revezam na assitência. As filhas conseguiram também na Justiça o suplemento que a mãe toma, materiais de saúde e alguns remédios do tratamento. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ia, antes da pandemia, uma vez por semana ia fazer a fisioterapia na autônoma.

“Eu cuido dela durante o dia e minha irmã à noite. O Samu vinha e fazia a fisioterapia, consegui os remédios e materiais na Justiça, mas não consegui as fraldas. Quando ela adoeceu eu estava grávida e não sabia, então, tive que sair do trabalho para cuidar dela e do bebê”, contou.

Acidente doméstico

Maria do Socorro quebrou uma das pernas ao cair em casa em outubro de 2016. Ela procurou o Pronto-Socorro de Rio Branco, recebeu os primeiros atendimentos, recebeu alta e foi encaminhada para a Fundhacre. Na unidade foi realizada a cirurgia, que ocorreu bem.

Após passar os efeitos da anestesia, uma enfermaria aplicou uma dose de Tramal e AAS (ácido acetilsalicílico) em Maria, que era alérgica a AAS. Joseane, que estava no leito com a mãe, lembra que a autônoma começou a passar mal e acionou outra enfermeira.

“O médico veio e já levou ela para a UTI. Ficou quase um ano internada na Fundhacre. Falaram que deu embolia pulmonar, que isso acontece quando a pessoa faz cirurgia na perna. Só que ela estava bem, começou a sentir dor quando a anestesia passou. Quando a moça falou que ia aplicar o remédio, que ia ser devagarinho porque dava tontura, a pressão dela já foi caindo, não acharam mais os batimentos dela e foi para a UTI”, relembrou.

Joseane explicou que a mãe entrou falando e lúcida no hospital, mas depois da cirurgia ficou muito inchada e quase irreconhecível. Maria consegue abrir os olhos, porém, não se comunica com as filhas.

“Entrei na Justiça porque não aceitava [que tinha sido erro], fomos tratados muito mal na Fundação. Não tinha problemas de saúde e depois que ficou assim apareceu diabete e outros problemas. Ela abre os olhos, mas não me responde”, finalizou.

Com informações G1 Acre

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.