Rio Branco, Acre, 23 de abril de 2021

Para diretor do Into, tudo indica que variante é responsável por 2ª onda mais mortal no AC

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O governo ainda aguarda a confirmação da presença da nova variante do coronavírus no Acre. No entanto, segundo o novo diretor do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into-AC), o médico Osvaldo Leal, tudo indica que a cepa surgida no Amazonas já circula no estado e é a grande responsável pela explosão de casos e mortes.

Em janeiro, 10 amostras de pacientes locais foram colhidas e enviadas para análise no Instituto Evandro Chagas, em Belém (PA). O resultado deve sair até maio. De acordo com Leal, são poucos os laboratórios do país que fazem essa confirmação.

“Independente disso, é claro que a gente trabalha com a possibilidade de circulação dessa cepa. Mas é preciso esclarecer que não há diferença no tratamento de uma variante para a outra”.

Segundo o médico, que é membro do Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19, a diferença no modo de encarar a possível presença da cepa deve vir da população, que precisa redobrar os cuidados.

A mutação do vírus é mais transmissível e pode causar reinfecção, dizem estudos, o que explicaria, segundo profissionais de saúde, a segunda onda muito mais mortal em todo o Brasil, inclusive no Acre.

“O que a gente pode fazer é intensificar a informação e os pedidos para que a sociedade cumpra a normativa, entendendo que a gente pode ter um agravamento ainda maior por conta dessas características da nova cepa”, comenta Leal.

O ex-secretário de Saúde da gestão do ex-prefeito Raimundo Angelim (PT) chama a atenção para o aumento de complicações e óbitos entre as faixas etárias de 30, 40 e 50, um perfil inédito na pandemia até então.

Ele diz ainda que outras variantes vão surgir ou já estão surgindo. “Quanto mais o vírus circular entre as pessoas, mais a probabilidade de isso acontecer”.

“Às vezes a mutação torna a própria cepa inviável e ela é descartada, essa é a seleção natural delas. Aí a cepa que se viabiliza, ela substitui as outras, se mostra mais eficaz na transmissão e na ligação com os receptores, e vai preponderando, vai ocupando o espaço das outras e ficando viável. É um processo de mutação viral que acontece”.

Com informações ContilNet

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.