Rio Branco, Acre, 21 de abril de 2021

Saúde de Rio Branco vai usar hidroxicloroquina para tratar pacientes com Covid-19, revela secretário

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O uso da azitromicina e da hidroxicloroquina será adotado como protocolo durante o tratamento da Covid-19 em Rio Branco, segundo revelou o secretário municipal de Saúde, Francisco Lima, neste sábado, dia 06, durante coletiva de imprensa. O medicamento não é indicado para tratar pacientes com o coronavírus.

“Todos os médicos que estão lidando com a Covid já sabem que tem uma medicação. Nós estamos tranquilos, porque se for preciso a gente compra mais medicamento, a gente tem dinheiro. Eu vou colocar à disposição dos médicos tudo que eles precisarem. Vai ter a azitromicina, hidroxicloroquina, vitamina C”, revela o gestor.

Lima também criticou o fechamento do comércio, seguindo a linha do presidente Jair Bolsonaro, que é contra esse tipo de medida, que a exemplo de outros estados, também foi adotada pelo governador Gladson Cameli no Acre. “Isso é danoso. O que temos que fazer? Encontrar alternativas para dar à sociedade mais segurança”, avalia.

Não adianta a gente deixar a população doente em casa. Eu tenho que abrir mais uma, e nós estamos trabalhando para abrir uma nova unidade de saúde, 100% Covid. As primeiras pessoas que sentirem os sintomas de Covid já vão para lá ser vacinadas. “Se a gente testar e medicar, essa pessoa não vai precisar ir para o Into”, completa.

NÃO SERVE – A Organização Mundial da Saúde (OMS) concluiu que a hidroxicloroquina não funciona no tratamento contra a Covid-19 e alertou ainda que seu uso pode causar efeitos adversos. O medicamento passou por uma análise de um grupo de especialistas e pacientes e recebeu “forte recomendação” contra o uso no combate ao coronavírus.

O grupo de 32 debatedores da OMS classificou a ineficiência da droga para tratamento de Covid-19 como de “alta certeza”. Eles sugeriram ainda que “os financiadores e pesquisadores devem reconsiderar o início ou continuação dessas experiências”. O documento foi publicado pela revista científica The BJM, como reportou a CNN Brasil.

No Brasil, o medicamento foi constantemente apontado pelo presidente Jair Bolsonaro. O relatório da OMS aponta ainda que a cloroquina “provavelmente aumentou os eventos adversos”, o que levaram à descontinuação do uso desse medicamento nos tratamentos contra a Covid-19, diz o texto.

  • João Renato Jácome, do Notícias da Hora.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.