Rio Branco, Acre, 14 de maio de 2021

Terras indígenas concentram apenas 3% do desmatamento na Amazônia, aponta estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

MANAUS, AM (FOLHAPRESS) – Um estudo do Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) a partir de dados oficiais demonstra que as terras indígenas (TIs) estão entre as categorias fundiárias com menos ocorrência de desmatamento e incêndio. Por outro lado, esses territórios sofrem com o crescimento da destruição por causa de invasões de grileiros não indígenas.

De janeiro a dezembro de 2020, apenas 3% do desmatamento e 8% dos focos de calor ocorreram em TIs, segundo números do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). As TIs representam 23% da Amazônia Legal.

As categorias fundiárias que mais desmatam são florestas públicas não designadas (32%), principal alvo da grilagem, propriedades privadas (24%) e assentamentos (22%). Somadas, essas três categorias concentraram respondem por 68% dos focos de calor.

Esses números desmentem repetidas declarações do presidente Jair Bolsonaro que atribuem o fogo na Amazônia a indígenas e povos ribeirinhos. “Os incêndios acontecem nos mesmos lugares, no entorno leste da floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas”, discursou na Assembleia Geral da ONU, em setembro do ano passado.

Além disso, o desmatamento, sempre associado ao fogo, em TIs é feito principalmente por invasores não indígenas. As cinco mais afetadas estão localizadas na região do Médio Xingu, no estado do Pará. Uma delas é a TI Apyterewa, dos índios parakanãs, de recente contato. Apesar de homologado, seu território é alvo de intenso comércio ilegal de terras e de mineração ilegal.

O desmatamento na Amazônia cresceu cerca de 9,5% de agosto de 2019 a julho de 2020 em comparação ao mesmo período anterior, segundo o Inpe. Foram perdidos 11.088 km² de floresta, a maior área devastada da última década.
CAR da grilagem

A nota técnica do Ipam identificou um crescente uso do Cadastro Ambiental Rural (CAR) como ferramenta para tentativas de grilagem de territórios indígenas. De 2016 a 2020, o número de CARs sobrepostos a TIs subiu 75%.

Autodeclaratório, o CAR foi instituído pelo Código Florestal, promulgado em 2012. Por meio do Sicar (Sistema de Cadastro Ambiental Rural), a pessoa pode inserir dados cadastrais, como nome e CPF, e georreferenciados, incluindo os limites da propriedade e a área de reserva legal.

Pensado como ferramenta de fiscalização ambiental, o CAR passou a ser usado por grileiros para forjar a posse da terra. De 2016 a 2020, o número de cadastros em TIs passou de 3.517 para 6.170, segundo dados do Sicar. São essas áreas que concentram o desmatamento dentro de territórios indígenas, segundo o estudo do Ipam.

“A relação entre a apropriação indevida do território e o desmatamento é clara e se intensificou nos últimos anos. O percentual da derrubada em áreas com CAR dentro das TIs atingiu um pico em 2019, respondendo a 41% de tudo o que foi derrubado em terras indígenas”, diz o estudo.

O caso mais extremo é da Terra Indígena Ituana-Itatá (PA), no Médio Xingu, onde há suspeita da presença de indígenas isolados. Ali, os registros de CAR cobrem 94% do território. Trata-se da quarta TI mais desmatada em 2020 na Amazônia.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.