Rio Branco, Acre, 14 de maio de 2021

Delegado indicia médicos e enfermeiros do Hospital Santa Juliana pelo crime de aborto

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O caso da jovem Sayonara Simão, que em dezembro do ano passado perdeu o filho em trabalho de parto no Hospital Santa Juliana e sempre apontou negligência médica como a causa da perda de seu bebê, começa a ter desdobramento na justiça.

Em um caso pouco comum no Acre, o delegado de policia, Judson Barros, responsável pelas investigações decidiu indiciar quatro médicos e quatro enfermeiros do Hospital Santa Juliana pelo crime de aborto sem o consentimento da gestante. De acordo com o relatório do inquérito policial, não restou dúvida de que o bebê de Sayonara morreu por falta de atendimento.

“Os profissionais tinham a responsabilidade de garantir que o parto transcorresse de forma normal. O garantidor é aquela pessoa que tem por obrigação o dever de cuidado e vigilância do bem jurídico tutelado. O caso ora analisado, evidencia que os profissionais relacionados ao fato, tinham plenas condições de evitar a morte do feto, mas por desleixo não realizaram ocasionando o resultado morte do feto”, explica Judson Barros.

Durante as investigações, foram ouvidas mais de 20 pessoas e um dos fatores que levaram ao indiciamento é de que na análise do prontuário da paciente não consta ter ocorrido qualquer tipo de atendimento no espaço de tempo entre 17 horas e 30 minutos e 21 horas, ou seja, Sayonara, mesmo estando no hospital, ficou três horas e meia sem ser atendida. De acordo com os esclarecimentos prestados e documento entregue em sede de inquérito policial, percebeu-se que não havia batimentos cardíacos fetais e o útero estava hipertônico, isto é, contraído permanentemente. A paciente ficou sem qualquer tipo de atendimento: “tendo como base os documentos apresentados, constata-se que houve um hiato em relação a ausculta dos batimentos cardíacos fetais durante a permanência da paciente na enfermaria”, diz o delegado.

O delegado pediu um parecer ao Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM-AC) que concluiu não haver indícios de infração aos artigos do Código de ética Médica. O delegado não acatou o relatório do CRM e decidiu pelo indiciamento dos médicos e dos enfermeiros.

Os oito profissionais foram indiciados pelo crime de aborto, sem o consentimento da vítima. Em caso de culpa, os profissionais podem ser condenados a uma pena que varia de três a dez anos de reclusão.

Os quatro médicos indiciados são:

– Gerce Câmara

– John Lennon Moreira Pinheiro

– Richard Flávio Pailla Rodriguez

– Edward Cordeiro de Oliveira

Já os quatro enfermeiros indiciados são:

– Juliana Lourenço

– Dejamily Rodrigues de Sousa

– Emiliane Aquino Eluan

– Thiago Amorim da Silva

  • Com informações do AC24horas.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.