Rio Branco, Acre, 15 de maio de 2021

Grupo político que quer criar a Associação dos Motoboys de Cruzeiro do Sul, chama a classe para ouvir os problemas da profissão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
O grupo político ligado ao vereador Gilmar Giles e ao deputado estadual Pedro Longo, quer criar a Associação de Motoboys, em Cruzeiro do Sul, com intuito de disciplinar o ofício, usufruir os benefícios das leis trabalhistas e expor os riscos de ganhar a vida sobre duas rodas.
A reunião entre os representantes da classe, os jovens Miqueias Lima, de 32 anos e Mário Sérgio, de 26, ambos futuros diretores da Associação de Motoboys e os representantes políticos do gabinete do vereador Gilmar Giles e do deputado Pedro Longo, aconteceu na tarde desta segunda-feira (26), na Câmara Municipal de Cruzeiro do Sul.
O grande objetivo do encontro foi, possibilitar aos líderes da categoria exporem as demandas dos trabalhadores, e o que o gabinete dos vereadores podem fazer para ajudar na viabilidade de criação e regulamentação da atividade dos motoboy no município de Cruzeiro do Sul.
Para melhorar as condições de trabalho, é preciso que se crie uma lei municipal determinando que quem esteja exercendo a profissão, apresente os documentos Condumoto e a Licença de Motofrete, que são necessários para o motociclista (motofretista) fazer entrega, coleta e distribuição de documentos e pequenas cargas. Para a obtenção de ambos os documentos é obrigatório, por lei, a realização de cursos específicos.
Com isso, Miqueias, que é líder do movimento de criação da Associação, avalia que a categoria vai dar um passo importante, de respeito e reconhecimento à profissão dentro do aspecto legal.
“Vai motivar muitos motoboys a saírem da clandestinidade, porque uma vez documentados, não sofrerão a discriminação que muitos enfrentam, principalmente durante abordagens feitas pelas autoridades de segurança”, disse.
Mário Sérgio assinalou que em tempos de pandemia, a atividade mostrou a importância que sempre teve, mas de uma forma mais ampla com o reconhecimento de grande parte da sociedade que “confinada em casa ou ‘presa’ no próprio local de trabalho precisou de algum serviço e recorreu aos motoboys para a entrega ou recebimento de mercadoria”.
Por outro lado, a pandemia também prejudicou a atividade, pois as pessoas que perderam o emprego devido à crise sanitária, “juntaram o que tinham compraram uma moto e ‘viraram’ motoboy, porém, sem noção alguma que é uma profissão com regras estabelecidas e que devem ser cumpridas”, afirmou o líder.
“Pessoas assim, trazem problemas aos motoboys que pela inconsequência de uns, acabam sendo marginalizados. Não queremos e nem é nossa intenção criar um clima de divisão, estamos lutando pelo respeito da atividade e de que quem esteja nela, a exerça com profissionalismo”, acrescentou Miqueias.
Na discussão de direitos trabalhistas, a Associação pensa em criar uma tabela de preços pela prestação de serviços, pois atualmente, os valores pagos ficam quase que exclusivamente a critério do contratante, mediante “acertos de boca”. A ideia da Associação é padronizar uma determinada cifra pela hora trabalhada. “A busca do diálogo é importante e evita desgaste de ambas as partes, contratante e contratado”, entende a diretoria.
O Grupo que conta com 100 integrantes foi idealizado no início da pandemia. Com a criação da Associação os membros vão contar com departamento jurídico para assistência aos associados, manter convênios com farmácias e lojas de autopeças para motos, postos de combustíveis ,entre outras ações, que pretende ampliar a partir de que irão ganhar força e mais adesão da categoria.
“A Associação dos Motoboy de Cruzeiro do Sul, é um sonho de muitos, que vamos ajudar a construir”, afirmou Gilmar Giles.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.