Rio Branco, Acre, 11 de maio de 2021

Homem bebe demais, é levado para matagal e acorda sem o pênis

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Um homem bebeu além da conta em um boteco e dormiu. Depois, acordou no meio de um matagal sentindo dores e percebeu que seu órgão genital tinha sido cortado e levado. O fato ocorreu no município de Olhos D’Água (6,17 mil habitantes), a 422 quilômetros de Belo Horizonte, no Norte de Minas.

O homem, de 36 anos, foi socorrido por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado para o Hospital Municipal Doutor Gil Alves, em Bocaiuva, a 50 quilômetros de Olhos D’Água, na mesma região. Ele passou por cirurgia e o quadro do paciente é estável.

O estranho caso de violência e mutilação ocorreu na comunidade rural de Macaúbas (a 35 quilômetros da área urbana de Olhos D’Água), na noite de terça-feira (20/4).

Persiste o mistério sobre a autoria da violência e o destino do órgão retirado do homem, que é solteiro e presta pequenos serviços braçais.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. De acordo com a Polícia Militar de Bocaiuva, o homem já era um contumaz consumidor de bebidas alcoólicas. Na tarde/noite de terça-feira, ele foi até um boteco na comunidade de Macaúbas.

Conforme a PM, à noite, o trabalhador braçal acordou no meio de um matagal, sentindo dores e ensanguentado, momento em que percebeu que o seu pênis tinha sido decepado e levado.

Ele foi socorrido por terceiros, que acionaram o Samu. O homem foi conduzido até o Hospital de Bocaiuva, onde recebeu atendimento médico e passou por cirurgia.

Segundo o capitão Michael Stephan da Silva, comandante da 210ª Companhia da Polícia Militar de Bocaiuva, o órgão genital retirado da vítima não foi encontrado para uma possível cirurgia de tentativa de reimplante pelos médicos.

O homem disse que não tem ideia sobre nenhum suspeito de autoria da brutal violência que sofreu. Contou que não tem inimigos e que não fez nada que pudesse motivar vingança, como se relacionar com alguma mulher comprometida.

“Realmente, este caso é algo inusitado, fora do comum. É uma coisa até desumana”, avalia o capitão Stephan.

  • Fonte: Correio Brasiliense.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.