Rio Branco, Acre, 30 de julho de 2021

O fim que todos compartilham

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Coluna Mente Aberta, por: IB.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Antes de qualquer coisa devo informar que esse texto pode deixar algumas pessoas desconfortáveis. Sinceramente, espero que algo assim não aconteça, mas há sempre pessoas mais sensíveis a certos assuntos. Nesse caso, ignorar esse texto talvez seja uma boa opção, tendo deixado isso claro desde o início espero que gostem do texto.

Pessoalmente, essa ideia veio do nada. Assim que sentei para escrever me veio à mente que poderia escrever sobre esse tema; afinal, têm muitas pessoas que fecham os olhos e ignoram sobre isso. Talvez por isso, a vontade de escrever sobre. Talvez esse tipo de atitude me faça uma pessoa inconveniente, mas não estou disposto a mudar isso.

Quando se trata da vida humana todos nós temos um início, meio e fim, sendo esse fim a morte do indivíduo. Acho curioso o pensamento de que independente da vida em que vivemos todos teremos o mesmo final; independente se está preparado ou não, goste ou não. Numa hora, certamente, nossa história terá um final: às vezes inesperado, ou propositais. Um grande homem um dia disse “não importa os sonhos ou esperanças que vocês tivessem, nem o quanto suas vidas foram abençoadas, tudo seria igual no fim”. Independente do quanto vivemos, das coisas que fizemos em vida, todos seremos iguais quando tudo acabar. Logo, se sentir inferior ou superior a alguém é simplesmente tolice da parte das pessoas.

Mesmo tendo dito essas coisas, isso não é algo em que devamos nos desanimar. Certamente nossas existências são pequenas demais para mudar algo, dificilmente vamos mudar algo nesse mundo, com as nossas vidas curtas; mesmo assim, não significa que não há sentido em viver. Nós somos aqueles que dão sentido a própria existência, nossas futuras gerações viverão os frutos do mundo que, enquanto vivos, contribuímos para criar.

Acredito que tenha escrito o suficiente, esse é o fim deste texto. Espero que não tenha causado um mau sentimento em meus leitores, mas caso eu tenha causado devo lembrar que ler até aqui foi unicamente uma decisão sua embora eu agradeça essa decisão. Não pensem muito sobre isso, pensar demais sobre assuntos desse tipo podem, talvez, desanimar alguns. Embora haja aqueles que se sentem motivados por essa ideia: cada um tem sua reação pessoal.

Acho que estou usando uma linguagem muito mais chique do que tenho o costume, talvez isso seja porque me senti verdadeiramente inspirado hoje.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!