Rio Branco, Acre, 30 de julho de 2021

Príncipe Charles deve cortar Harry e Meghan do orçamento real, diz autora

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A biógrafa real Angela Levin, analisa que o príncipe Charles, 72, pode cortar da família real seu filho, príncipe Harry, 36, e Meghan Markle, 39, para economizar dinheiro. A relação do casal com os outros membros da realeza estão estremecidas desde a entrevista concedida à Oprah Winfrey.

Levin escreveu livros sobre a princesa Diana e Harry, e concedeu uma entrevista ao programa TalkRadio. Durante a conversa, a escritora avaliou quais seriam os próximos passos da família real após a morte do príncipe Philip, que ocorreu no início de abril.

As decisões serão tomadas em uma reunião da alta cúpula da Coroa britânica, liderada pelos príncipes Charles e William. Segundo o Daily Mail, a ação analisada por Levin tornaria a esfera de pessoas que vivem com o dinheiro da monarquia menor.

Quem continuaria a receber os bens seriam apenas a Rainha Elizabeth 2ª, Charles e sua esposa Camilla, William, Kate e seus filhos George, Louis e Charlotte, atuais membros sênior da realeza. Com essa medida, os outros membros da família seriam incentivados a buscar por atividades remuneradas.

A medida não visaria apenas cortar gastos, mas também dinamizar a monarquia, assim como príncipe Phillip fez, de certa forma. Porém, no caso de Charles, as mudanças seriam voltadas para a esfera econômica, e menos midiáticas e tecnológicas.

“O príncipe Charles há muito tempo deseja reduzir a monarquia para economizar custos e fazer as pessoas valerem o dinheiro que recebem do contribuinte”, conta a autora. Levin também acredita que este seria o ponto em que o duque e a duquesa de Sussex não teriam mais laços com a realeza.

“Eu imagino que pode ser quando Harry e Meghan são dispensados de serem membros da família real”. O casal abdicou dos cargos no alto escalão da realeza no ano passado, e atualmente moram em uma mansão avaliada em R$ 83,7 milhões, em Santa Bárbara, Califórnia, nos Estados Unidos.

Harry e Meghan são pais de Archie, de 1 ano, e esperam por uma menina que deverá nascer em junho deste ano. “Eu acho que a borda externa, que a rainha queria manter unida por muito tempo por razões sentimentais, que na idade dela não queria mudar particularmente, o que eu considero compreensível”, explica Levin sobre as mudanças.

Ainda segundo a autora, na reunião o príncipe Charles deve avisar que irá ter mais funções reais em decorrência da morte de seu pai. O futuro rei irá acompanhar sua mãe na abertura do Parlamento britânico, que irá acontecer no próximo dia 11.

Para Levin, a rainha Elizabeth 2ª não irá abdicar do trono, mas deixará as decisões importantes sob responsabilidade de seu filho. “Acho que embora [a rainha] queira cumprir seus deveres, ela vai recuar ainda mais. Será difícil voltar depois da pandemia e de todo o isolamento. Na verdade, ela ficará grata por ele [Charles] assumir o controle, imagino, de grandes decisões em nome da família real”, concluiu.

 

Fonte: Folhapress

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!