Rio Branco, Acre, 22 de abril de 2021

Vice Rocha diz que PSL não apoiará Gladson para reeleição

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O vice-governador Major Wherles Rocha declarou a um colunista na capital, que é “zero” a chance de ele e seu partido, o PSL, apoiar a reeleição de Gladson Cameli (Progressistas). Ainda mandou recado a Bittar, afirmando que o PSL não é seu “puxadinho”.

A nível estadual, Márcio Bittar disputa o título de “bolsonarista oficial”, mesmo estando no MDB e com a cooptação do partido por Gladson; ele deve caminhar junto com o governador para sua reeleição.

Já o próprio PSL pode estar se afastando da marca Bolsonaro. “Bolsonarista, pero no mucho” pode ser uma boa definição para o partido que cresceu em todo país graças ao fenômeno eleitoral de Bolsonaro. No Acre, onde o presidente obteve cerca de 70% há dois anos, deve ter parecido um ótimo negócio para Rocha, que é policial e se identifica com a ideologia bolsonarista. Hoje o cenário não é o mesmo.

O problema é que Bolsonaro brigou com mais da metade do partido; entre eles, o atual presidente Luciano Bivar. Major Olímpio, senador falecido recentemente por complicações da Covid-19, foi outro dos nomes fortes do partido que rompeu com Bolsonaro. Joice Hasselman, deputada eleita pelo PSL e uma das figuras mais proeminentes do partido, se tornou uma feroz opositora, chegando a protocolar no Congresso um pedido de avaliação de insanidade do presidente.

No tempo das vacas gordas, quando sua popularidade estava em alta, Bolsonaro desprezou a sigla para a qual se elegeu e passou a apostar na criação de um novo partido: Aliança pelo Brasil. A coleta de assinaturas não alcançou 10% do mínimo necessário. Um dos responsáveis pela criação do “Aliança”, o também mestre dirigente da União do Vegetal, Felipe Belmonte, quando percebeu que seria desprezado por Bolsonaro, saiu fazendo acusações ao filho mais novo de Bolsonaro, Renan. Disse que o mesmo pediu dinheiro para criar uma empresa que teria o governo do pai como principal cliente.

Há no PSL uma ala que rejeita o nome de Bolsonaro, com parlamentares, inclusive, assinando uma carta contra a sua refiliação. Há convites para que Bolsonaro se filie ao Progressista e ao MDB. O PTB de Roberto Jeferson também tem sido uma opção para bolsonaristas como Daniel Silveira, preso por ameaça ao STF; e pode acabar acolhendo a candidatura de Bolsonaro.

A nível estadual há uma grande possibilidade de duas candidaturas mais à direita, com Gladson e MDB de um lado, e o bolsonarista Bittar no pacote; e do outro, Petecão com o apoio de Rocha e do PSL. Resta saber como os dois grupos vão demarcar sua distância em relação ao bolsonarismo. O alinhamento que antes era motivo de disputa pode se tornar um cadáver com a, já identificada, queda na popularidade de Bolsonaro.

Correndo por fora, a candidatura de Jorge Viana ganha fôlego com a reelegibilidade de Lula. Jorge Viana e o PT vinham ensaiando uma candidatura ao senado com o apoio de Petecão. Com Lula candidato, Jorge Viana poderá, inclusive, disputar o governo; se viabilizando como o candidato antibolsonarismo em 2022: um trunfo político que nem Gladson e nem Petecão poderão disputar.

Como o antipetismo foi a grande força política em 2018, a crise econômica sem precedentes e as mais de 300 mil mortes por Covid-19, que podem chegar a meio milhão, numa gestão desastrosa de Bolsonaro, poderá tornar o antibolsonarismo o maior ativo político em 2022.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.